24 Setembro 2021, 09:04

Morreu a violinista e maestrina Jeanne Lamon, diretora da orquestra Tafelmusik

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Victoria, Canadá, 22 jun 2021 (Lusa) – A violinista e maestrina Jeanne Lamon, pioneira da investigação histórica e da interpretação informada, que atuou por diversas vezes em Portugal, morreu no domingo, em Victoria, Canadá, aos 71 anos, anunciou a orquestra Tafelmusik, que dirigiu desde 1981.


Nascida em 1949, em Nova Iorque, Jeanne Lamon foi uma das primeiras grandes intérpretes a dedicar-se ao resgate de repertórios pré-românticos, no continente americano, e uma das primeiras maestrinas a assumir a titularidade de uma orquestra.


Nos anos de 1960-1970, estudou na cidade natal, com o violinista Robert Koff do Quarteto Julliard, em Boston e em Amesterdão, onde trabalhou com o violinista Herman Krebbers, antigo concertino da Real Orquestra do Concertgebouw, e assumiu a direção da recém-formada orquestra Tafelmusik, em Toronto, em 1981, à frente da qual se manteve até 2014, passando então a diretora emérita.


A Tafelmusik foi a primeira orquestra de época da América do Norte, a dedicar-se à interpretação historicamente informada, de música Antiga, do Barroco e do Classicismo, à sua investigação e divulgação, expandindo a sua atividade ao ensino e à colaboração com outras instituições.


Em 1974, recebeu o Prémio Erwin Bodky, pela “excelência na interpretação da Música Antiga”, quando dirigia o Departamento de Música Antiga do Smith College de Massachusetts. Foi o primeiro de dezenas de prémios que marcariam a sua carreira.


Como diretora artística, violinista e maestrina da orquestra Tafelmusik , que trouxe a Portugal, Jeanne Lamon somou centenas de concertos e gravações de compositores como Henry Purcell, Johannn Sebastian Bach, Mozart e Joseph Haydn, entre muitos outros, que se mantêm na primeira linha de escolhas dos guias de música clássica Gramophone e Penguin.


O mesmo acontece com as gravações dos concertos de Antonio Vivaldi, que gravou com o violoncelista Anner Bylsma (1934-2019).


Dedicou-se também à investigação do repertório do primeiro Romantismo, tendo gravado, entre outras obras, os cinco concertos para piano e orquestra de Beethoven, com Jos van Immerseel como solista.


Lamon dirigia sempre a orquestra, segundo a tradição barroca, a partir da sua posição de concertino, ‘violino líder’.


Atuou em Portugal, com e sem a orquestra Tafelmusik, nomeadamente nas temporadas da Fundação Calouste Gulbenkian.


Foi professora da Universidade de Toronto e do Real Conservatorio de Música da capital canadiana.


Foi a primeira vencedora do Prémio Muriel Sherrin, do Conselho das Artes de Toronto, em 1996, o Prémio Molson, do Conselho das Artes do Canadá, país que lhe concedeu a cidadania em 1988.


Lamon foi vencida por um “cancro fulminante”, de que teve conhecimento nos últimos meses, segundo o comunicado da orquestra, divulgado na noite de segunda-feira, no Canadá.


Numa entrevista ao jornalista Bruce Duffie de Chicago, em 2012, quando anunciou o afastamento da direção da Tafelmusik, na temporada seguinte, disse que não se teria dedicado à música, se ela não representasse alegria e divertimento. “É demasiado trabalho, é um trabalho árduo, mas é muito divertido. E estimulante”.



MAG // JAP


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário