28 Setembro 2021, 13:57

‘Motards’ portugueses vão para a estrada para ajudar hospital em Moçambique

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 15 jun 2021 (Lusa) — Uma associação de ‘motards’ portugueses está a angariar bens para o Hospital Geral do Marrere, em Moçambique, que entregará no final de uma viagem de mota para alertar para as dificuldades que o continente africano atravessa, agravadas pela pandemia.


Esta ajuda marcará o início dos muitos milhares de quilómetros que a associação ‘Bikers Without Frontiers’ está disponível a percorrer, de mota, para chamar a atenção das pessoas para o território africano e as dificuldades que este atravessa.


A primeira paragem será o Hospital Geral do Marrere, onde o projeto nasceu, após Paulo Almeida, um dos fundadores da associação, ter visitado esta instituição, 50 anos após ali ter nascido.


Da visita e da conversa com o diretor deste hospital nasceu a vontade de fazer a diferença e de ajudar na angariação dos mais elementares bens de que a instituição necessita.


“Eles não têm colchões, monitores cardíacos, lençóis, secretárias. Não têm um esgoto em condições, as paredes pintadas”, disse à agência Lusa Rafael Paulino, outro fundador do movimento.


Impressionados com a carência, que mobilizou também o fotojornalista Carlos Martins, os três ‘motards’ iniciaram a constituição da associação e elaboraram, com a ajuda do diretor do hospital, uma lista de bens prioritários, os quais contam reunir até à data da viagem, que irão fazer em outubro.


Esta viagem de moto, que arranca a 30 de outubro, deverá chegar a Nampula um mês depois e, durante o tempo que durar, servirá também para a realização de reportagens, através das quais a associação pretende divulgar situações que o continente atravessa, como a forma como está a ser “negligenciado” no acesso às vacinas contra a covid-19.


O diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC) disse recentemente que menos de 2% da população está vacinada em África.


Os ‘motards’ pretendem chegar a Moçambique ao mesmo tempo que o contentor com os bens doados e fazer a entrega que, não indo resolver todas as carências, poderá “ajudar a fazer a diferença”, segundo disse à Lusa Rafael Paulino.


Entre a ajuda que está a ser recolhida — e que deverá totalizar 50.000 euros, incluindo já o contentor e a viagem — consta material para recuperação de paredes e esgoto, tintas, equipamento hospitalar, como camas, cadeiras, biombos, secretárias, monitores cardíacos, e consumíveis hospitalares: máscaras, batas, sapatos, termómetros.


Segundo Rafael Paulino, a resposta das empresas e particulares está a ser positiva.



SMM // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário