15 Maio 2022, 10:25

MotoGP/Portugal: Promotor do Mundial confirma intenção de manter prova em 2023

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Portimão, Faro, 24 abr 2022 (Lusa) — A empresa promotora do Campeonato do Mundo de velocidade em motociclismo, a Dorna, confirmou hoje à agência Lusa a intenção de manter o Grande Prémio de Portugal no calendário em 2023.


Em declarações escritas, o diretor executivo da Dorna, o espanhol Carmelo Ezpeleta, confirmou que o calendário de 2023 “está a ser preparado e deve sair em setembro”, mas a intenção da Dorna “é que Portimão esteja”.


“Quero sublinhar que estamos muito contentes com este GP e Portugal é sempre um mercado interessante para o Campeonato do Mundo de MotoGP, com adeptos fiéis ao nosso desporto”, disse Carmelo Ezpeleta.


O mesmo responsável disse ainda estar a “trabalhar para, a partir de agora, crescer e consolidar este GP no calendário”.


“Tivemos quatro GP em 18 meses. E dois deles foram à porta fechada, um com limitação de público em 2022 e este, de 2022, foi o mais ou menos normal, mas ainda sofremos com sequelas da pandemia”, explicou o organizador espanhol.


Carmelo Ezpeleta aproveitou ainda para agradecer “o esforço feito pelo circuito para apoiar o Mundial nuns momentos muito complicados para todos”.


“O objetivo é começar, desde já, a construir a base do futuro. Para além disso, os pilotos gostam muito do traçado, que nos oferece boas corridas. Por fim, a zona do Algarve é muito acolhedora”, destacou o patrão da Dorna.


Uma das novidades do Mundial deste ano é a ausência do italiano Valentino Rossi, que terminou a carreira nas duas rodas no final de 2021.


No entanto, Carmelo Ezpeleta realça que “há outros pilotos muito bons na atual grelha de partida, que oferecem boas batalhas”.


“O campeonato está muito competitivo e está a oferecer-nos muito espetáculo. A saída de Valentino Rossi não afetou essa espetacularidade”, sublinhou.


Carmelo Ezpeleta lembra que “Rossi ajudou muito a expandir” este desporto, mas “a vida continua com outras caras e outras histórias”, que serão “igualmente recordadas”.


 


AGYR // NFO


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário