07 Fevereiro 2023, 11:38

Movimento exige que Governo cumpra chegada do metro à Trofa há 20 anos prometida

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O movimento «Metro até à Trofa já» exigiu hoje ao Governo o cumprimento do memorando de entendimento sobre o desenvolvimento da rede do Metro do Porto, quando se cumprem 20 anos de espera pela chegada daquele transporte ao concelho.

A população da freguesia de Muro assinalou hoje, numa cerimónia junto à antiga estação do comboio desativada pela promessa de chegada do metro, as duas décadas de espera, tendo o movimento lido uma carta aberta, na qual recordaram os vários episódios e reveses do processo que, a ser concluído, faria a ligação entre o Instituto Superior da Maia e a Trofa.

O documento é dirigido ao primeiro-ministro, António Costa, e aos presidentes do Conselho Metropolitano do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues, e do Conselho de Administração da Metro do Porto, Tiago Braga.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O porta-voz do movimento e também presidente da Junta de Freguesia de Muro, José Fernando Martins, explicou o que a população perdeu nos últimos 20 anos com a desativação da linha estreita do comboio.

“Para além de perder mobilidade, isso teve implicação noutras situações (…) Houve uma expectativa de investimento no ramo imobiliário, houve famílias que chegaram a comprar casa, mas que depois desistiram, o que fez com que hoje exista uma série de edifícios devolutos que poderiam ser recuperados, mas as pessoas não vêm porque não têm transporte público”, descreveu.

Da população para o setor empresarial, tão importante no concelho, o autarca assinalou que “o desenvolvimento das zonas industriais da Carriça e de Lantemil acabou por ficar limitado devido ao fluxo muito grande de carros particulares na Estrada Nacional 14”, que atravessa o concelho.

Na carta, o movimento expõe os argumentos para que a linha de Metro chegue à Trofa, começando por exigir o cumprimento, pelo Governo, do memorando de entendimento subscrito pelo Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e pela Junta Metropolitana do Porto, em 21 de maio de 2007, e que assegurava a ligação ao interface ferroviário da cidade da Trofa por parte das populações que residem na parte sul do concelho da Trofa e parte norte do concelho da Maia.

Querem também que fique assegurada a “ligação ao Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte, que recebe milhares de jovens e adultos, candidatos a emprego qualificado, promovendo a inserção no mercado de trabalho”, bem como “a ligação em complementaridade com a rede concelhia de transportes intermodais do concelho da Trofa, desenvolvidos em articulação com a MOBIAVE e a Área Metropolitana do Porto, às várias zonas industriais do concelho da Trofa e Maia”.

Sublinham os signatários que estes dois concelhos do distrito do Porto “detêm das maiores empresas exportadoras do país”.

“Assegurar a ligação ao interface rodoferroviário da Trofa, promovendo a mobilidade dos movimentos pendulares entre os concelhos da Maia, Trofa e Santo Tirso com ligação a Guimarães e Famalicão”, no distrito de Braga, e otimizar os “fundos estruturais previstos para o próximo quadro comunitário e Plano de Resolução e Resiliência na concretização de uma obra que potencie uma mobilidade mais sustentável” são também argumentos do movimento.

A intenção do prolongamento do Metro à Trofa, inicialmente denominada por Linha T, existe desde 1999 com término na Estação da Trofa, sendo aproveitado o canal de comboio existente (Linha Porto – Guimarães).

Sem comentários

deixar um comentário