06 Fevereiro 2023, 06:38

Mulheres do PAIGC da Guiné-Bissau pedem intervenção da ONU para facilitar congresso do partido

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bissau, 23 mar 2022 (Lusa) — Um grupo de mulheres do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) pediu hoje às Nações Unidas, em Bissau, que intervenha no sentido de facilitar a que seja possível a realização do 10.º congresso do partido.


O grupo entregou hoje uma carta aberta na sede da ONU na capital guineense para ser remetida ao secretário-geral, António Guterres, a quem pedem que faça a mediação entre o partido e as autoridades, a quem acusam de impedir a realização do congresso.


Nhama Na Kofa, secretária-geral da União Democrática das Mulheres (UDEMU) afirmou que o PAIGC “é vítima de injustiças” por parte das autoridades guineenses daí que pede a intervenção das Nações Unidas.


“É uma situação complicada. De cada vez que há um congresso do PAIGC há problemas que nem sabemos porquê. Foi assim no nosso último congresso. Os outros partidos fizeram o seu congresso sem problema. Não se percebe o porquê de tudo isso contra o PAIGC”, referiu a dirigente da organização de mulheres do partido, em declarações aos jornalistas.


Nhama Na Kofa referiu ainda que o partido “é alvo de falta de respeito” que, disse, só as Nações Unidas poderão fazer parar.


“Podíamos ter ido para uma outra embaixada, decidimos vir aqui à sede das Nações Unidas por ser a maior organização do mundo. Queremos que as Nações Unidas ponham cobro às injustiças contra o PAIGC”, observou Na Kofa.


Na delegação também se encontrava a veterana da luta armada pela independência da Guiné-Bissau, Teodora Inácia Gomes que apelou a António Gomes no sentido de “resolver o problema”.


A veterana disse ainda que o partido não pretende enveredar pela violência.


“Nós não queremos violência, se fosse essa a nossa intenção há muito que já havia sangue a derramar, ou mortes”, sublinhou Inácia Gomes, frisando ainda que o PAIGC não lutou contra o colonialismo português para “ver a Guiné-Bissau desta maneira”.


O PAIGC viu-se obrigado a suspender a realização do seu 10.º congresso que deveria ter lugar no último fim de semana, após dois adiamentos sucessivos, na sequência de uma intervenção da polícia que impediu o acesso de militantes à sede do partido em Bissau.


A polícia, que tem um dispositivo de vigilância no imóvel, diz que está lá para cumprir ordens de um juiz que está a apreciar uma providência cautelar intentada contra o partido por um militante que alegadamente afirma ter sido impedido injustamente de tomar parte no 10.º congresso.


O PAIGC considera aquelas diligências judiciais como estratégia dos atuais elementos do poder na Guiné-Bissau para inviabilizar a reunião magna.



MB // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário