23 Dezembro 2022, 03:24

Na Praia da Aguda há uma associação que convida «a trazer e a levar cultura»

Chama-se «Cultura Curto Espaço», a associação sem fins lucrativos que é também um espaço alternativo na Praia da Aguda e cujo lema é o de “trazer e levar cultura”.

Por ali, acontece de tudo um pouco. Desde sessões de poesia, pequenos concertos, cinema ao ar livre, provas de vinhos, workshops, aulas de yoga, tertúlias, lançamentos de livros, ações de limpeza da praia ou iniciativas solidárias.

E é assim há cinco anos. Foi em 2016 que Daniela e Rui, ambos residentes na Aguda e proprietários de um pequeno terreno naquele que é um dos mais emblemáticos locais de Gaia, criaram a associação com um objetivo bem definido.

“Tínhamos ali aquele pequeno terreno que não dava para construir e começamos a pensar o que fazer… Nessa altura, íamos jogar o Europeu e pensamos em fazer algo para juntar as pessoas. E assim «nascemos», mas com morte certa para daí a três meses, no final do verão”, revela Daniela Barros ao Mundo Atual.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Mas “nesse ano o verão nunca acabou”, o Cultura Curto Espaço “ganhou vida própria” e os sócios foram surgindo, sendo que atualmente são cerca de 600.

“Temos inscrição para sócios efetivos e de curta duração, ou seja, de um mês ou um dia”, revela a arquiteta, explicando: “Temos um bar, mas não somos um bar! E só permitimos entrada a sócios. Por isso, criamos modalidades que se adaptam”.

O espaço foi concebido e construído por Daniela, arquiteta, e Rui, engenheiro civil, com aproveitamento de materiais e recurso a reciclagens que o tornaram “quase como um estaleiro de obras, sempre inacabado”.

Daniela Barros frisa que no Cultura Curto Espaço “todos são bem vindos para dar ideias, sugestões” ou apenas para conhecerem melhor a Aguda e a sua “pitoresca comunidade”.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Documentário sobre comunidade piscatória

O objetivo da associação é também envolver as pessoas e “desenvolver ações locais” junto de todos os que por ali passam. Dessa forma, ao longo dos últimos anos foram muitas as iniciativas que ali criaram.

A mais recente é o documentário «Mar de História em História» sobre os pescadores da Aguda que surgiu na sequência de uma exposição fotográfica (2018) que «viajou» por vários locais do concelho e que está prestes a regressar a «casa».

“O Banco dos Pescadores circulou, através de um expositor exterior, por Arcozelo, Oliveira do Douro, General Torres (centro de Gaia) e Douro Marina. E daí resultou um livro e este documentário que terminamos de editar. São 60 horas de filmagens”, revela Daniela Barros que espera que a estreia “aconteça no verão, em agosto talvez, na praia”.

A associação organiza também, com alguma regularidade, ações de limpeza da Praia da Aguda e recentemente uniu esforços numa recolha de alimentos para ajudar a União Audiovisual.

“Fazemos inúmeras coisas, como o Clube de Leitura, as recolhas de lixo na praia, as sessões de poesia, a banca das peixeiras que devem seguir o mesmo percurso que o projeto dos pescadores e sentimos um orgulho imenso”, ressalva a fundadora que admite, porém, que as “iniciativas ligadas à comunidade piscatória” são aquelas que mais lhe “enchem o coração”.

Sem comentários

deixar um comentário