20 Setembro 2021, 07:01

Nações Unidas preocupadas com aumento alarmante de violência sexual na Somália

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nações Unidas, Nova Iorque, 05 ago 2021 (Lusa) — As Nações Unidas alertaram hoje para um aumento alarmante da violência sexual na Somália devido à insegurança no país, tendo apelado às autoridades para tomarem medidas específicas para a enfrentar.


De acordo com relatórios da ONU, citados pela agência noticiosa Efe, cerca de 400 civis — a maioria raparigas — foram vítimas de violações ou de outras formas de violência sexual por membros das partes no conflito somali em 2020, um aumento de quase 80% face a 2019.


No primeiro trimestre deste ano, a ONU verificou mais de uma centena de casos, assinalaram num comunicado conjunto das representantes especiais para a Violência Sexual em Conflitos, Pramila Patten, e para as Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba.


“Instamos todas as partes em conflito na Somália a cessarem imediatamente estas violações”, afirmaram as duas responsáveis, que também pediram ao Governo para desenvolver um novo plano de ação nacional para pôr um fim a estes crimes.


De acordo com a ONU, a violência sexual no país está intimamente ligada à insegurança, às atividades do grupo ‘jihadista’ Al-Shabab e aos confrontos entre clãs, tendo sido agravada pela pandemia de covid-19.


A ONU apontou ainda que os casos ligados ao Al-Shabab duplicaram, acusando o grupo de utilizar a violência sexual e casamentos forçados para dominar áreas sob o seu controlo.


Da mesma forma, as Nações Unidas observaram que as violações cometidas por milícias de clãs quase triplicaram no último ano e que as forças governamentais foram responsáveis por 15% do total.


A ONU acredita que a grande maioria dos casos continua por resolver, o que “perpetua o ciclo de impunidade”.


Desde 1991 que a Somália vive num estado de guerra e caos, depois do autocrata Mohamed Siad Barre ter sido deposto, deixando o país sem governo e nas mãos de milícias islâmicas e de senhores da guerra.



JYO // RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário