12 Agosto 2022, 10:59

NATO acredita que processo de adesão da Finlândia e da Suécia será rápido

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Copenhaga, 19 mai 2022 (Lusa) — A NATO anunciou hoje que pretende responder às “preocupações” apresentadas pela Turquia para bloquear os pedidos de adesão da Suécia e da Finlândia à Aliança Atlântica e que o processo de decisão neste processo será rápido.


“Claro que queremos responder às preocupações que a Turquia manifestou” para encontrar um “acordo para avançar”, declarou em Copenhaga o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, reafirmando a “confiança” numa “rápida decisão” de acolher os dois países nórdicos.


O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, reiterou hoje a sua oposição à entrada da Finlândia e da Súecia na Aliança, alegando que considera que os dois países apoiam organizações “terroristas”, referindo-se a grupos curdos.


“Estamos em contacto permanente com as autoridades turcas, também com as suecas e finlandesas. Queremos que tudo isto se resolva rapidamente (…) e temos grande experiência em lidar com diferentes pontos de vista”, assegurou o líder da NATO, recordando que a divergência de opiniões entre os países membros sobre decisões importantes não é incomum.


Numa conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra dinamarquesa, Mete Frederiksen, Stoltenberg também destacou que a Turquia é um país “importante” para a Aliança, que nenhum outro “sofreu tanto com o terrorismo e com a crise dos refugiados”.


Frederiksen, por sua vez, disse acreditar que a entrada da Suécia e da Finlândia na Aliança melhoraria “significativamente” a segurança na região, já que todos os países nórdicos se tornariam membros da NATO.


O secretário-geral da NATO defendeu ainda que a Rússia não conseguiu atingir os seus “objetivos estratégicos” na Ucrânia, embora também não tenha desistido deles, e alertou para o facto de o conflito bélico poder durar “muito tempo”, obrigando a prolongar o apoio militar e financeiro a Kiev.


“Tenho confiança na Ucrânia. A nossa tarefa é apoiar a sua liderança política e os ucranianos. São eles que devem definir o que estão dispostos a aceitar para falar de vitória, mas quanto mais forte for a sua posição no campo de batalha, mais forte será a sua posição na mesa de negociações”, explicou Stoltenberg.



RJP // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário