11 Agosto 2022, 10:19

NATO vai ficar “mais forte do que nunca” com adesão da Finlândia e Suécia – Biden

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Presidente dos Estados Unidos defendeu hoje que a NATO vai ficar “mais forte do que nunca” com a adesão da Finlândia e da Suécia e defendeu que Putin obteve o oposto do que pretendia ao invadir a Ucrânia.

“A Finlândia e a Suécia estão mais próximas do que nunca de aderirem [à NATO]. Estamos mais unidos do que nunca e, com a adesão da Suécia e da Finlândia, vamos ficar mais fortes do que nunca. Têm [os dois países] Forças Armadas muito potentes, vamos aumentar a fronteira da NATO em mais de 800 milhas na fronteira entre a Finlândia e a Rússia”, afirmou Joe Biden.

O Presidente dos Estados Unidos falava em conferência de imprensa no Parque de Exposições de Madrid, no nordeste da capital espanhola, no fim da cimeira de chefes de Estado e de Governo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês).

Biden, que se deslocou à Europa para participar na cimeira da NATO mas também do G7 (as sete maiores economias mundiais), defendeu que, “em todos os passos” dessa viagem, foram estabelecidos “marcos de união, de determinação e de forte capacidade das nações democráticas do mundo de fazer o que é necessário”.

“O [Presidente da Federação Russa, Vladimir] Putin pensou que podia quebrar a aliança transatlântica. Tentou enfraquecer-nos, pensou que a nossa determinação se ia fraturar, mas está a ter exatamente o oposto do que queria. Ele queria a ‘finlandização’ da NATO, mas obteve a ‘natoização’ da Finlândia”, frisou.

“Antes de a guerra começar, avisei Putin que, se ele invadisse a Ucrânia, a NATO não só ficaria mais forte, mas também mais unida, e iríamos ver as democracias do mundo a oporem-se à sua agressão e a defender uma ordem internacional baseada em regras. É exatamente isso que estamos a ver hoje”, acrescentou.

O Presidente norte-americano qualificou a cimeira da NATO como “histórica”: “Esta cimeira era sobre fortalecer a nossa Aliança, enfrentar os desafios do nosso mundo como está atualmente e as ameaças que vamos enfrentar no futuro”.

Biden abordou o Conceito Estratégico aprovado pela Aliança em 2010 em Lisboa — onde a Rússia era considerada um “parceiro” e a China não era mencionada — contrapondo-o com o Conceito Estratégico adotado nesta cimeira que hoje termina na capital espanhola, que identifica a Rússia como a principal ameaça para o espaço euro-atlântico.

“O mundo mudou, e mudou muito [desde 2010], e a NATO também está a mudar”, frisou.

Sem comentários

deixar um comentário