09 Setembro 2022, 11:10

Navegabilidade no rio Douro não está a ser afetada devido à seca

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Administração dos Portos do Douro afirmou hoje que a seca que o país atravessa não afeta a navegabilidade do rio e adiantou que existem “medidas estudadas” para aplicar caso isso venha a acontecer.

Em declarações à Lusa, o chefe de divisão do Planeamento e Controlo de Navegação da Via Navegável do Douro, pertencente à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, S.A. (APDL), Frederico Martins, explicou que as “zonas mais críticas” de variação do caudal do Douro “estão identificadas” mas que “não é uma situação deste apenas deste ano” devido à situação de seca.

“Neste momento não se afigura uma situação em que a navegabilidade do rio Douro esteja a ser afetada pela seca”, garantiu aquele responsável.

Segundo explicou, “periodicamente a APDL reúne-se com a EDP e a Engie, que fazem o aproveitamento hidroelétrico da bacia hidrográfica do Douro, e essa foi uma questão abordada mas não há registos diferentes de outras alturas”.

Frederico Martins referiu que “o controlo das quotas e caudais é feito regularmente para garantir a segurança à navegação” ao longo do rio Douro e que não há variações para alarme.

“A seca não se tem sentido no rio [Douro], o que temos são algumas variações de quotas mas tem a ver com os próprios aproveitamentos hidroelétricos e são variações que estão sempre dentro dos parâmetros que garantem a segurança da navegação”, apontou.

O responsável explicou que “estas são situações que acontecem ao longo do ano e aconteceram noutros anos, não são uma situações de agora”.

No entanto, disse, caso venham a ser verificadas variações fora dos parâmetros, a APDL está preparada: “Existem planos com medidas a tomar caso isso aconteça, que tipificam o que se deve fazer em função da variação de quotas e caudais para garantir a navegabilidade em segurança”, assegurou.

A APDL garantiu ainda que as zonas mais problemáticas estão já identificadas.

“Há locais já identificados como críticos, locais como a Valeira, onde há um estreitamento do rio e que só é possível passar uma embarcação e onde as quotas são baixas, são locais mais do que identificados”.

Sem comentários

deixar um comentário