06 Outubro 2022, 03:01

Nobel alternativo atribuído a ativistas e instituições de Somália, Ucrânia, Venezuela e Uganda

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Ativistas e instituições de quatro países — Somália, Ucrânia, Venezuela e Uganda – foram hoje galardoados com o prémio Right Livelihood, conhecido como o Nobel alternativo e que apoia “pessoas corajosas” que resolvem problemas globais.

Os prémios foram atribuídos a duas ativistas dos direitos humanos da Somália, Fartuun Adan e Ilwad Elman, por “promoverem a paz, a desmilitarização e os direitos humanos” naquele país, contra “o terrorismo e a violência de género”, explica a organização do prémio em comunicado hoje divulgado.

De acordo com a mesma fonte, também a defensora dos direitos humanos, a ucraniana Oleksandra Matviichuk, e o Centro para as Liberdades Civis (CCL), que dirige, foram hoje premiados por “construir instituições democráticas sustentáveis na Ucrânia e criar um processo para responsabilização internacional por crimes de guerra”.

O galardão foi também atribuído à Central de Cooperativas de Lara, Cecosesola, uma rede de cooperativas comunitárias venezuelana que fornece bens e serviços acessíveis em todo país.

O prémio dado a esta instituição foi justificado pelo júri internacional com o estabelecimento de “um modelo económico equitativo e cooperativo como alternativa robusta às economias voltadas para o lucro”.

Por fim, foi premiado a organização ambiental ugandesa Instituto Africano para a Governação da Energia “pelo seu trabalho corajoso pela justiça climática e direitos comunitários violados por projetos de extração de energia no Uganda”.

Criado em 1980 pelo biólogo estoniano Jakob Von Uexküll (1864-1944), o prémio é atribuído anualmente no parlamento sueco, normalmente em 09 de dezembro, para homenagear e apoiar pessoas que “trabalham na procura e aplicação de soluções para as mudanças mais urgentes e necessárias do mundo atual”.

Um júri internacional decide o prémio em âmbitos como Proteção Ambiental, Direitos Humanos, Desenvolvimento Sustentável, Saúde, Educação ou Paz e os vencedores, habitualmente quatro por ano, repartem um total de cerca de 185 mil euros.

Até agora, já foram laureados 190 nomes, de 74 países, incluindo Edward Snowden (Estados Unidos da América), Denis Mukwege (República Democrática do Congo) e Greta Thunberg (Suécia).

Sem comentários

deixar um comentário