13 Maio 2022, 08:30

Novo Presidente da Coreia do Sul considera situação na península “muito grave”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Seul, 10 mai 2022 (Lusa) — O conservador Yoon Suk-yeol tomou hoje posse como novo Presidente da Coreia do Sul, dizendo numa reunião com o líder das forças armadas que “a situação de segurança na península coreana é muito grave”.


O líder do Partido do Poder Popular iniciou o mandato único de cinco anos à meia-noite (15:00 de segunda-feira em Lisboa), com uma videoconferência com o chefe do Estado-Maior Conjunto (JCS, na sigla em inglês), Won In-choul, sobre a vizinha Coreia do Norte.


Won, de 61 anos, disse a Yoon Suk-yeol que o regime de Pyonyang está pronto para realizar um teste nuclear caso o líder norte-coreano Kim Jong-un o decida fazer.


Yoon, antigo procurador-geral, ordenou então aos comandantes militares que mantivessem a prontidão militar.


A reunião decorreu no novo escritório executivo da Presidência sul-coreana, no complexo do Ministério da Defesa, no centro da capital, Seul.


A mudança da sede da residência oficial da Casa Azul foi uma das principais promessas de Yoon Suk-yeol durante a campanha eleitoral, “para que a população possa ver, de perto”, o seu local de trabalho, explicou na altura o então candidato.


A mudança obrigou à transferência dos funcionários do Ministério da Defesa para o prédio do JCS, sendo que estes irão, por fases, para um centro de comando de guerra, nos arredores de Seul.


A decisão foi condenada por 11 ex-chefes do JCS, que defenderam que a deslocalização “apressada dos principais escritórios do Governo prejudica a segurança nacional, exige gastos excessivos e viola os direitos de propriedade dos residentes na nova área do escritório presidencial”.


Yoon Suk-yeol fará esta manhã o juramento de tomada de posse e fará o seu discurso inaugural numa cerimónia formal, em Seul.


Cerca de 40.000 pessoas foram convidadas para a cerimónia, que será de longe a mais cara já organizada, com um orçamento de 3,3 mil milhões de won (2,5 milhões de euros). O slogan escolhido para a cerimónia é: “A República da Coreia, uma vez mais! Um novo país para o povo”.


Após vencer as eleições presidenciais, em março, Yoon ofereceu diálogo a Pyongyang, mas, ao mesmo tempo, prometeu ser menos tolerante com as “provocações” da Coreia do Norte.


A Coreia do Norte realizou 15 lançamentos de mísseis balísticos desde o início do ano, o último dos quais no sábado.


O Conselho de Segurança da ONU reúne-se de emergência amanhã, a pedido dos Estados Unidos, para debater os mais recentes testes da Coreia do Norte, indicaram na segunda-feira fontes diplomáticas.


Observadores indicaram que, nos últimos meses, imagens obtidas por satélite mostram sinais de que o Norte está a preparar-se para um teste nuclear em instalações no nordeste do país.



VQ (ANC) // CAD


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário