13 Maio 2022, 22:30

Nyusi aponta terrorismo, mudanças climáticas e pandemia como “desafios gigantescos” para Moçambique

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 05 mai 2022 (Lusa) – O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, classificou hoje o terrorismo, mudanças climáticas e pandemia de covid-19 de “desafios gigantescos” para o país, defendendo a conjugação de esforços para a superação destes obstáculos.


“Estes desafios são gigantescos e a sua superação tem estado a exigir a conjugação de esforços internos e de parceiros” internacionais, afirmou Nysui, que intervinha na abertura do conselho coordenador do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação.


Do conjunto dos principais desafios que o país enfrenta, Filipe Nyusi começou por apontar as “ações terroristas”, assinalando que a atuação de grupos armados na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, provocou a morte de mais de 2.000 pessoas e levou à fuga de mais de 800 mil pessoas, além da destruição de infraestruturas sociais e económicas, privadas e públicas.


A ação conjunta das forças governamentais de Moçambique, Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) resultou na destruição de bases dos grupos armados e na recuperação de zonas antes ocupadas pelos terroristas.


“A situação tende a melhorar”, considerou Filipe Nyusi, assinalando a reconstrução de infraestruturas e o regresso gradual da população como consequência da restauração paulatina da segurança.


Em relação às mudanças climáticas, o país tem sofrido “efeitos de grande magnitude” causados por ciclones, cheias e secas, que destroem o tecido social e económico, destacou Nyusi.


O chefe de Estado moçambicano comentou também que a pandemia de covid-19 afetou a produção e a vida das populações.


Dada a enormidade dos desafios, Filipe Nyusi exortou “os agentes diplomáticos do país” a continuarem a mobilizar apoios internacionais.


A ação diplomática de Moçambique, continuou, deve privilegiar a busca da paz e de investimentos para o desenvolvimento económico e social.


 


PMA // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário