08 Dezembro 2021, 08:39

Óbito/Sampaio: Uma referência para gerações futuras, diz Elisa Ferreira “desolada”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 10 set 2021 (Lusa) — A comissária europeia Elisa Ferreira manifestou-se hoje “desolada” com a morte do antigo Presidente da República Jorge Sampaio, ao qual expressa “profunda gratidão”, sublinhando que “o seu nome ficará para sempre associado à democracia portuguesa”.


“Desolada com morte de Jorge Sampaio. Foi exemplo de civismo, integridade e coragem, desde os tempos das lutas estudantis até ao mais alto cargo da nação. Uma referência para gerações futuras, o seu nome ficará para sempre associado à democracia portuguesa. Profunda gratidão”, escreveu a comissária portuguesa, responsável pela pasta da Coesão e Reformas, na sua conta oficial na rede social Twitter, acompanhando a publicação com uma fotografia a preto e branco do antigo chefe de Estado.


O antigo Presidente da República Jorge Sampaio morreu hoje aos 81 anos, no hospital de Santa Cruz, em Lisboa.


Antes do 25 de Abril de 1974, foi um dos protagonistas da crise académica do princípio dos anos 60, que gerou um longo e generalizado movimento de contestação estudantil ao Estado Novo, tendo, como advogado, defendido presos políticos durante a ditadura.


Jorge Sampaio foi secretário-geral do PS (1989-1992), presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1990-1995) e Presidente da República (1996 e 2006).


Após a passagem pela Presidência da República, foi nomeado em 2006 pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas enviado especial para a Luta contra a Tuberculose e, entre 2007 e 2013, foi alto representante da ONU para a Aliança das Civilizações.


Durante o seu segundo mandato, em 2003, organizou a primeira reunião do ‘Grupo de Arraiolos’, constituído por chefes de Estado da UE sem funções executivas.


Atualmente presidia à Plataforma Global para os Estudantes Sírios, fundada por si em 2013 com o objetivo de contribuir para dar resposta à emergência académica que o conflito na Síria criara, deixando milhares de jovens sem acesso à educação.



ACC (IG) // FPA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário