12 Outubro 2022, 14:45

Obras de piscina municipal na Pasteleira no Porto concluídas em 2022

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A piscina Armando Pimentel, na Pasteleira, no Porto, encerrada há mais de um ano, deve ter a reabilitação concluída no 2º trimestre de 2022, com o concurso para contratação da empreitada lançado em maio, foi hoje revelado.

Na reunião camarária, antecipando-se à apresentação de uma proposta de recomendação da CDU que pedia a reabertura daquela infraestrutura, o presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, explicou que questões de segurança ditaram o encerramento do equipamento municipal, tendo obrigado a uma intervenção “bastante mais profunda e prolongada no tempo”.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



“O encerramento deste equipamento foi recomendado pela Proteção Civil, na sequência de um conjunto de problemas que foram detetados ao nível do tanque do mergulho e do abatimento do piso exterior”, esclareceu.

Tal situação obrigou à elaboração de um estudo de inspeção e diagnóstico do equipamento, tendo-se procedido à elaboração de um projeto para a reabilitação do edifício, após conclusão dos mesmos.

O projeto, que está a ser desenvolvido pela arquiteta Graça Nieto, autora do projeto inicial, visa não só a reabilitação geral do edifício, mas também um conjunto de melhorias do ‘layout’ existente e designadamente ampliação dos espaços, adiantou o autarca.

Todos os balneários serão revistos, o revestimento interior substituído e o ginásio ampliado, permitindo a prática de mais e novas modalidades.

Neste momento, referiu Moreira, o projeto de execução está em fase de conclusão, prevendo-se a abertura do procedimento para a contratação da empreitada seja já lançado durante o próximo mês de maio.

Os trabalhos, que implicam um investimento na ordem de um milhão de euros, devem iniciar-se ainda durante o ano de 2021, estando prevista a conclusão da empreitada no início do 2º trimestre de 2022.

O independente lembrou ainda que, logo após o encerramento “forçado das instalações”, a empresa municipal Ágora celebrou de imediato um “contrato/protocolo” com o Real Clube Fluvial Portuense para que os utentes pudessem continuar a frequentar as aulas de natação e os vários programas municipais que eram realizados naquela piscina municipal, entre os quais o programa “No Porto a Vida é Longa”, sem qualquer encargo adicional para os utentes.

Acrescentou que este programa desportivo sénior foi suspenso em março de 2020 por orientação da Direção Geral de Saúde, pelo que, logo que tal seja permitido, será retomado.

Perante o esclarecimento prestado, o autarca pediu que a CDU retirasse a proposta, sugestão que foi acolhida pela vereadora daquela força política, Ilda Figueiredo, que deu como “consumado” o objetivo da recomendação apresentada.

Na proposta, a CDU argumentava que o encerramento deste equipamento, a 20 de janeiro de 2020, impede, numa zona com muitas carências, a concretização de programas municipais, como o “No Porto a vida é longa”, obrigando associações e outras entidades a recorrer a outros concelhos para garantir a prática de natação a crianças e jovens.

Sublinhando a importância da natação para o desenvolvimento integral das pessoas, Ilda Figueiredo argumentava ainda que o risco de transmissão do SARS-CoV-2 neste ambiente é “extremamente reduzido”, de acordo com um estudo desenvolvido pela Imperial College London, no Reino Unido, que concluiu que “a água da piscina inativa o vírus em 30 segundos”.

De acordo com a informação disponibilizada pela Ágora, no seu site, Piscina Municipal Eng.º Armando Pimentel, inaugurada a 31 de maio de 2000, “permite a prática de várias modalidades aquáticas, possuindo “um tanque de mergulho e um pequeno ginásio”.

Localizado na Pasteleira, este equipamento, encontra-se encerrado, desde meados de janeiro de 2020, para obras de requalificação e melhoria da eficiência energética, térmica e ambiental.

À data, o município, numa nota publicada no seu site, referia que a empreitada, com um prazo de conclusão de seis meses, visava colmatar um conjunto de deficiências de caráter estrutural no edifício, agravadas ao longo dos últimos anos.

No período antes da ordem do dia, a CDU propôs ainda que o executivo recomendasse às empresas municipais nas áreas da cultura, do desporto, do ambiente e do lazer planearem, “desde já, os programas de férias destinados a crianças entre os 06 e 13 anos, assegurando a sua compatibilidade com o período laboral dos pais”.

A proposta foi rejeitada pela maioria municipal, tendo merecido os votos a favor de PS e PSD.

A vereadora do Pelouro da Juventude e Desporto, Catarina Araújo, salientou que, em pleno contexto pandémico, o municipio do Porto tomou a decisão de organizar os campos de férias, tendo participados nestas atividades 1.400 crianças entre os 06 e os 15 anos.

Salientando que por estas razões, a maioria municipal não poderia acompanhar a recomendação da CDU, Catarina Araújo adiantou que a edição deste ano está já a ser preparada, anunciando que, se houver condições sanitárias, ainda este ano, o município, vai organizar este campos de férias também no período de Natal.

Sem comentários

deixar um comentário