23 Maio 2022, 00:02

OE2022: Pandemia custou 1.266,5 ME ao Estado no 1.º trimestre

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 28 abr 2022 (Lusa) – A resposta à pandemia custou 1.266,5 milhões de euros (ME) ao Estado até março devido à perda de receita em 356,4 milhões de euros e ao aumento da despesa em 910,1 milhões de euros, divulgou hoje a DGO.


“Em março, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como das que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma diminuição da receita em 356,4 milhões de euros e a um aumento da despesa total em 910,1 milhões de euros” lê-se na Síntese de Execução Orçamental divulgada pela DGO.


Do lado da receita, a DGO refere que “sobressai o impacto estimado associado à prorrogação do pagamento do IVA” em 297,1 milhões de euros e, em menor escala, “a revenda de vacinas contra a covid-19 a países terceiros (31,9 ME) e a limitação extraordinária de pagamentos por conta em sede de IRS ou IRC (23,2 ME)”.


Na receita, a DGO salienta as medidas de apoio ao rendimento das famílias (310,4 ME), nomeadamente o apoio associado ao isolamento profilático (143,1 ME), os apoios extraordinários ao rendimento dos trabalhadores (56,5 ME), o subsídio de doença (53,4 ME) e o programa AUTOvoucher (30 ME).


Somam-se ainda as medidas no setor da saúde (242,1 ME), como é o caso dos testes à covid-19, recursos humanos e aquisição de vacinas e os apoios às empresas e ao emprego que totalizaram 218,3 ME.


Entre os apoios às empresas destaca-se o incentivo à normalização (84,6 ME), o programa Ativar (62,8 ME) e a medida de apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade (22,8 ME).


“Na ausência das despesas associadas às medidas no âmbito da covid-19, a despesa efetiva das Administrações Públicas teria crescido 2,3% face ao ano anterior (em vez de -0,5%)”, pode ler-se no documento.



DF // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário