06 Fevereiro 2023, 22:48

OE2023: Maratona orçamental termina hoje com aprovação garantida pelo PS

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 25 nov 2022 (Lusa) — Depois de quatro dias de apreciação de um número recorde de propostas na especialidade, o processo do Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) termina hoje com a votação final global, documento com aprovação garantida devido à maioria absoluta socialista.


Antes do momento da votação final, os partidos com assento parlamentar e o Governo terão a oportunidade de intervir na sessão de encerramento, ficando a cargo do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, a intervenção pelo executivo, segundo informação adiantada à agência Lusa por fonte oficial.


O dia começará com a discussão e votação das normas que forem avocadas pelos partidos.


O processo orçamental arrancou em 10 de outubro com a entrega pelo Governo da sua proposta, que na votação na generalidade foi aprovada com votos a favor apenas do PS e abstenção dos deputados únicos do PAN e do Livre, merecendo o voto contra dos restantes partidos.


Este ano os partidos bateram o recorde de propostas de alteração apresentadas e desde segunda-feira foram votadas mais de 1.800, tendo a grande maioria das medidas sugeridas pela oposição acabado por ser chumbada pelo PS.


Os ‘campeões’ das medidas viabilizadas foram o Livre e o PAN — juntos conseguiram cerca de meia centena -, os únicos que mantiveram negociações com o Governo.


Já o PSD, a IL, o PCP e o BE conseguiram, no total, luz verde para menos de 20 alterações, tendo o Chega sido o único que ficou a zeros.


O conjunto de alterações terá um impacto orçamental pouco significativo, ao contrário do que acontecia no período da ‘geringonça’, em que o PS dependia dos parceiros à esquerda para fazer passar os orçamentos.


Os partidos de oposição criticaram o “rolo compressor” da maioria absoluta do PS, considerando que, ao chumbar grande parte dos contributos da oposição, não sairá da especialidade um orçamento melhor do que a versão inicial.


Esta ideia foi rejeitada pelo executivo, que reiterou a sua abertura negocial e recordou as medidas que foi aprovando.



JF/AAT/DF/FM/LT // CC


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário