05 Dezembro 2022, 11:04

ONG moçambicana promove hoje debate sobre consolidação da paz em Moçambique

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 05 out 2021 (Lusa) — O Instituto para Democracia Multipartidária (IMD) promove hoje em Moçambique um debate para a consolidação da paz e reconciliação nacional, numa discussão que vai envolver políticos, especialistas e um antigo negociador do Acordo Geral de Paz.


“A conferência tem por objetivo refletir com múltiplos atores sobre os alicerces, desafios e perspetivas para a consolidação da paz e reconciliação em Moçambique e fazer advocacia para ações concretas para garantir que os processos de busca de paz sejam inclusivos”, refere em nota de imprensa a organização.


O evento é organizado em parceria com o Ministério da Justiça de Moçambique e vai contar com a presença de Raul Domingos, político e um antigo negociador do Acordo Geral de Paz.


O debate é promovido no âmbito das celebrações do Dia da Paz, que se assinalou na segunda-feira em Moçambique, feriado alusivo à assinatura do Acordo Geral de Paz, em 1992, entre o governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo)


Durante 16 anos, Moçambique viveu uma guerra civil, que opôs o exército governamental e a Renamo, tendo terminado com a assinatura do Acordo Geral de Paz, em Roma, em 1992, entre o então Presidente Joaquim Chissano e Afonso Dhlakama, líder histórico da Renamo, que morreu em maio de 2018.


Em 2013 sucederam-se outros confrontos entre as partes, durante 17 meses, e que só pararam com a assinatura, em 05 de setembro de 2014, do Acordo de Cessação das Hostilidades Militares, entre Dhlakama e o antigo chefe de Estado Armando Guebuza.


Alguns anos depois, em 06 de agosto de 2019, assiste-se ao Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, o terceiro, assinado entre o atual Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Ossufo Momade, prevendo, entre outros aspetos, a Desmilitarização, Desarmamento e Reintegração (DDR) do braço armado do principal partido de oposição.


O país volta a atravessar um período conturbado, marcado por conflitos armados no centro e norte.


Na região centro, a autoproclamada Junta Militar, um grupo dissidente da Renamo chefiado por um antigo líder de guerrilha do partido, tem protagonizado ataques armados, incursões que já causaram a morte de pelo menos 30 pessoas desde 2019.


No Norte, em Cabo Delgado, as forças governamentais, com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), enfrentam uma insurgência armada que provocou uma crise humanitária com mais de 3.100 mortos, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.



EYAC // CSJ


Lusa/FIm 

Sem comentários

deixar um comentário