23 Outubro 2021, 14:59

Operação “Campo Seguro” da GNR termina com 50 detenções e 194 contraordenações

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 08 jan 2021 (Lusa) — A GNR deteve 50 pessoas e registou 80 crimes e 194 contraordenações na operação “Campo Seguro”, que decorreu de 01 junho a 31 de dezembro, e em que foram recuperados mais de 11 mil quilos de cortiça.


No comunicado de balanço da operação hoje divulgado, a Guarda Nacional Republicana destaca as 7.675 ações de patrulhamento e fiscalização realizadas, durante as quais foram detetados 80 crimes e 194 contraordenações, culminando na detenção de 50 pessoas e na identificação de outras 184, a maioria por furto em explorações agrícolas.


Foram ainda apreendidos 27 veículos e diversos utensílios utilizados neste tipo de crime, tendo recuperados 11.040 quilos de cortiça, 9.672 quilos de alfarroba, 6.747 quilos de pinha mansa, 750 quilos de azeitona e 80 quilos de abacate.


Na mesma operação, foram realizadas 2.986 ações de informação e sensibilização para 8.494 pessoas, junto das comunidades rurais, especialmente para agricultores, sobre prevenção e proteção contra furtos, em particular contra o furto de cortiça, ou outros produtos agrícolas, cobre e outros metais não preciosos.


Devido ao elevado número de acidentes com veículos agrícolas – o ano passado foram 644 e provocaram 45 mortos -, a GNR desencadeou 4.298 ações de sensibilização dirigidas a 11.484 utilizadores de tratores e máquinas agrícolas.


O capotamento é a principal causa que tem provocado vítimas, pelo que, partir de hoje, com as alterações ao código da estrada que entram em vigor, passa a ser obrigatório circular com arco de segurança, conhecido por “Arco de Santo António”, erguido e em posição de serviço, assim como a utilização do cinto e outros dispositivos de segurança com que os veículos estejam equipados.


Os tratores e máquinas agrícolas ou florestais e as máquinas industriais são também obrigados a possuir avisadores luminosos especiais (rotativo de cor amarela).



CC // JMR


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário