11 Agosto 2022, 09:51

Os dois. – Sandra Januário

Psicóloga Clínica | Autora de Literatura Infantil

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Ela cambaleante na certeza de que sonhos não possuem todos o mesmo colorido e amplificação, que não convergem num mesmo sentido e destino e numa prece secreta, o desejo de que nada os impeça de viver o exagero da viagem por cada segundo que fazem valer tanto a pena.

Os dois no lugar que escolheram para um encontro de madrugada, parco de luz, entre gente demasiada.

O bar do Hotel a fechar, as garrafas alinhadas, os copos imaculados, uma mesa apinhada onde se sentam entre amigos dela e dele.

-E se me desses a mão? Pergunta-lhe.

Ela assim o faz.

As mãos num incêndio.

A boca dele na palma da mão dela, o coração dela na extremidade dos dedos dele.

Ele a beijar-lhe a alma, a pedir-lhe que se entregue, a morder-lhe a orelha, a soletrar-lhe lenta e demoradamente o desejo que o trouxe ali.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Ela inteira nos olhos dele sussurrando baixinho que do fundo do ser lhe chega a certeza que existe uma vida encantada onde cabem os dois e que quem arrisca tudo ganha nada perde, sendo que certo é o arrependimento do que nunca chega a ser.

Os amigos que conversam sem parar, frases em torrente mais velozes que o pensamento no receio de esgotar o que dizer.

Eles a gastarem as mãos à força de as apertarem na promessa e antecipação do que viverão fora dali.

As mãos num incêndio.

As dele acesas e demoradas no cabelo dela e com as testas encostadas, um segredo numa acrobacia arriscada que a faz corar.

Ambos conscientes que aquele não largar de mãos os denuncia e expõe à evidência do que sentem, do que são juntos, no lugar que escolheram para um encontro de madrugada, parco de luz entre gente demasiada.

Os dois no elevador.

Sozinhos, frente a frente a olharem-se fundo.

Entre eles um espaço curto que se vence com o simples gesto de dois passos.

Ela encostada num canto mal iluminado, ele no lado oposto tão hesitante quanto determinado.

A música “Under my skin” e o ruído suave do ar condicionado.

Ela a eternizar-lhe os traços: os olhos intensos; o nariz perfeito; o sinal no pescoço, o cheiro a canela.

Ele a imaginá-la sua por um tempo sem prazo de validade, poeticamente suave como a brisa que os conduz do Rossio ao Tejo.

Nela toda a prosa do mundo enquanto assegura, que vai esperar por ele, perseverante e crente, ainda que na ausência da presença inevitáveis sejam os sobressaltos até ao fim da espera.

Os dois no elevador.

Sozinhos, frente a frente a olharem-se fundo.

Ele a pintá-la numa planície outonal amarelecida, beleza incontida, ternura primeira, afeto perfeito, a mais absoluta intimidade.

Ela cambaleante na certeza de que sonhos não possuem todos o mesmo colorido e amplificação, que não convergem num mesmo sentido e destino e numa prece secreta, o desejo de que nada os impeça de viver o exagero da viagem por cada segundo que fazem valer tanto a pena.

Nas paredes do elevador, o painel de botões iluminado e fotografias a cru da cidade.

Ainda a olharem-se fundo, colando à pele a memória de noites perfeitas como aquela que cheiram a maresia de fim de Verão e nascem de uma mão cheia de verdade.
Cúmplices do silêncio por oito andares, privilégio de quem se conhece do avesso, por dentro e por inteiro e não encontra na pausa do discurso embaraço ou desconforto, antes preâmbulo incontornável do amor que reclamam e os cumpre.

Palavra alguma disseram, gesto algum precipitaram.

Há momentos mudos que ardem por uma vida inteira.

Sem comentários

deixar um comentário