17 Agosto 2022, 05:40

Papa diz que América Latina “ainda é vítima do imperialismo explorador”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Cidade do Vaticano, 02 jul 2022 (Lusa) — A América Latina continua “vítima de imperialismos exploradores” e deve continuar “a trabalhar pela sua união”, sonho inicial da sua independência, disse sexta-feira o papa Francisco, estabelecendo também uma distinção entre “povos e populismos”.


“A América Latina ainda está neste caminho lento, de luta, do sonho de San Martín e Bolívar [pais das independências latino-americanas] pela unidade da região”, declarou o pontífice em entrevista à agência estatal argentina Telam, a partir da sua residência no Vaticano.


A região “sempre foi vítima, e será vítima até que seja completamente libertada, dos imperialismos exploradores. Todos os países têm isso”, disse o papa, sem citar países ou outras entidades.


“Não quero mencioná-los, porque são tão óbvios que todos os veem”, acrescentou.


Questionado sobre as mudanças políticas no continente, com fórmulas políticas em vários países que ilustram uma rejeição ao neoliberalismo, o papa referiu-se ao sonho de San Martín e Bolívar, que “é uma profecia, o encontro de todo o povo latino-americano, além da ideologia, com soberania”.


“Devemos trabalhar para alcançar a unidade latino-americana. Onde cada povo se sinta bem com sua identidade e, ao mesmo tempo, precise da identidade do outro. Não é fácil”, salientou.


Francisco, de 85 anos, que no próximo ano vai completar 10 anos de pontificado, fez uma espécie de balanço do seu trabalho, garantindo não ter “inventado nada”, mas apenas “implementado o que foi pedido por todos”.


Por outro lado, o papa argentino sente que deixou a sua própria “marca”, de uma “Igreja latino-americana [que] tem uma história de proximidade com o povo”, “uma Igreja popular, no verdadeiro sentido do termo”.


Nesta Igreja, historicamente, “houve tentativas de formatar ideologias, como (…) a análise marxista da realidade para a Teologia da Libertação”, analisou.


“Foi uma instrumentalização ideológica, uma forma de libertação — digamos assim — da Igreja popular latino-americana. Mas os povos são uma coisa e o populismo é outra”, apontou.


O papa foi questionado sobre a sua saúde durante a entrevista, já que as especulações sobre uma possível renúncia foram revividas nos últimos meses, em particular pela dor no joelho que o obrigou a adiar uma viagem à África — embora tenha confirmado uma viagem ao Canadá no final de julho.


“Ainda vamos ter papa Francisco por um tempo?”, perguntou o jornalista da Telam.


“Cabe ao que está acima dizer”, respondeu Francisco, referindo-se a Deus.



JML // RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário