13 Maio 2022, 20:15

Papa diz que guerra sem sentido na Ucrânia ameaça o mundo inteiro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Cidade do Vaticano, 06 mai 2022 (Lusa) – O Papa Francisco declarou hoje que a guerra na Ucrânia é tão “cruel e sem sentido” como qualquer outra, mas o conflito que se arrasta há mais de dois meses “tem uma dimensão maior e ameaça o mundo inteiro”.


“Mesmo antes do fim da pandemia [de covid-19], o mundo inteiro deparou-se com um novo e trágico desafio: a guerra na Ucrânia. Após o fim da II Guerra Mundial, nunca houve escassez de guerras regionais, ao ponto de, por vezes, falar-se de uma III Guerra Mundial”, disse o Papa aos participantes na sessão plenária do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos.


“No entanto, esta guerra, tão cruel e sem sentido como qualquer outra, tem uma dimensão maior e ameaça o mundo inteiro, e não pode deixar de despertar a consciência de cada cristão e de cada Igreja”, acrescentou.


O Papa deixou uma pergunta: “O que as Igrejas fizeram e podem fazer para contribuir para o desenvolvimento de uma comunidade mundial, capaz de alcançar a fraternidade dos povos e nações que vivem a amizade social?”.


Francisco, que tem condenado a guerra na Ucrânia em várias ocasiões, mostrou a disposição do Vaticano de “fazer todo o possível” para ajudar a alcançar uma solução pacífica.


O líder da Igreja Católica pediu uma reunião com o Presidente russo, Vladimir Putin, em Moscovo, para lhe pedir que trave o conflito, mas ainda não recebeu uma resposta, segundo disse numa recente entrevista ao jornal “Corriere della Sera”.


O Papa explicou, então, que conversou com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, mas ainda não falou com Putin, e que, após 20 dias de guerra, pediu ao secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, que enviasse ao Presidente russo a mensagem de que estava pronto para ir a Moscovo.


Hoje, no seu discurso perante os membros do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Francisco sublinhou que “diante da barbárie da guerra, este desejo de unidade deve ser nutrido novamente” e que “ignorar as divisões entre os cristãos, por costume ou resignação, significa tolerar aquela contaminação dos corações que torna o terreno fértil para o conflito”.


“A proclamação do evangelho da paz, aquele evangelho que desarma os corações diante dos exércitos, só será credível se for proclamado por cristãos finalmente reconciliados em Jesus, o Príncipe da Paz; cristãos animados pela sua mensagem de amor e fraternidade universal, que vai além dos limites de sua própria comunidade e nação”, afirmou.


Nesse sentido, destacou que a celebração em 2025 do 1.700º aniversário do Primeiro Concílio de Nicéia, coincidindo com o próximo Jubileu, servirá para “conduzir a novos passos concretos até ao objetivo de restaurar plenamente a unidade dos cristãos”.



CSR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário