27 Outubro 2022, 18:26

Papa pede bondade para com os refugiados durante visita a Malta

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Valeta, 03 abr 2022 (Lusa) – O Papa Francisco pediu mais bondade e compaixão para com os refugiados, durante um encontro com migrantes que, tal como o apóstolo Paulo, hoje homenageado, chegaram à ilha mediterrânica e foram acolhidos.


Francisco abriu o seu segundo e último dia em Malta, com uma visita à Gruta de São Paulo em Rabat, onde o apóstolo ficou depois de ter naufragado a caminho de Roma no ano 60 d.C.


De acordo com o relato bíblico do período, o povo maltês mostrou a Paulo uma bondade invulgar, a que ele respondeu pregando e curando, levando o cristianismo às ilhas.


“Ajuda-nos a reconhecer de longe os necessitados, lutando no meio das ondas do mar, atirando-se contra os recifes de costas desconhecidas”, disse o líder dos católicos, durante uma oração na gruta.


Francisco usou a sua visita de dois dias a Malta para dirigir a casa o seu apelo para que a Europa mostre o mesmo acolhimento aos migrantes e refugiados que os malteses mostraram a São Paulo.


O pontífice expandiu essa mensagem para expressar a sua gratidão pelo acolhimento que a Europa mostrou aos refugiados ucranianos que fugiram da guerra russa, e a sua esperança de que a mesma generosidade possa ser estendida a outros.


Malta está há muito no centro do debate europeu sobre a política de refugiados. O país, que conta meio milhão de habitantes, é frequentemente criticado por grupos de ajuda humanitária por se recusar a deixar atracar navios de salvamento nos seus portos.


O Governo argumenta que tem uma das taxas mais elevadas da União Europeia de pedidos de asilo, relativamente à população, e diz que outros países europeus maiores deveriam fazer mais para suportar o fardo.


Ainda esta semana, um grupo de ajuda alemão instou Malta a acolher 106 migrantes resgatados ao largo da Líbia; Malta demorou e, no sábado, o presidente da Câmara de Palermo, na Sicília, disse que a cidade estava pronta a acolhê-los.


Francisco vai terminar a sua viagem com uma missa ao ar livre em Valeta e uma visita, à tarde, a um abrigo gerido por voluntários que podem albergar cerca de 50 migrantes e fornecer-lhes serviços educativos e médicos.


A maioria dos seus atuais ocupantes provém da Somália, Eritreia e Sudão e fez a perigosa travessia do Mediterrâneo a partir da Líbia.


A viagem, apesar de curta, tem sido particularmente penosa para o pontífice de 85 anos, que sofre de dores nos ligamentos do joelho direito. Teve de usar um elevador para entrar e sair do avião e a sua marcha coxeante causada pela ciática acentuou-se.



AL // ZO


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário