05 Fevereiro 2023, 18:48

Paulo Pisco (PS) nomeado relator sobre deslocados ucranianos à força para a Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

 Lisboa, 07 dez 2022 (Lusa) — O deputado socialista Paulo Pisco foi hoje nomeado por unanimidade relator sobre cidadãos ucranianos deslocados à força para território da Federação Russa pela Comissão das Migrações e Refugiados da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa.


Esta nomeação foi divulgada pelo Grupo Parlamentar do PS, que adianta que o relatório do deputado socialista eleito pelo círculo da Europa será elaborado ao longo dos próximos meses, após recolha de dados e realização de audições.


Segundo o PS, que cita “informações tanto de autoridades ucranianas como da Federação Russa, haverá mais de um milhão de cidadãos ucranianos na situação de deslocação forçada”, dos quais cerca de “um terço são menores”.


“Muitos destes cidadãos foram deportados, enganados quanto ao seu destino, em alguns casos torturados e despojados dos seus documentos, acabando por se encontrar em território da Federação Russa ou da Ucrânia controlado por forças pró-russas, mas sem que haja muitas informações sobre a sua situação”, lê-se no texto divulgado pela bancada socialista.


O PS refere depois que “as autoridades ucranianas falam no processo de russificação, em que muitos jovens são separados dos seus pais e enviados para programas de adoção forçada”. “Algumas fontes referem que muitas destas pessoas deportadas estão a ser sujeitas a um processo de despojamento da sua identidade para que seja criada uma nova. Estas práticas constituem uma violação de várias convenções internacionais e classificadas como crimes de guerra”, salienta-se no mesmo texto.


Para o deputado socialista Paulo Pisco, “é absolutamente fundamental que esta situação faça parte das preocupações e do debate público da comunidade internacional, através da denúncia permanente e do esforço para obter mais informações sobre todos os cidadãos que passaram por esse processo, designadamente onde estão e em que situação se encontram e com que objetivos foram deslocados à força”.


 


PMF // SF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário