22 Janeiro 2023, 09:21

PCP pede ao Governo para aumentar todas as pensões em 20 euros

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O secretário-geral do PCP pediu hoje ao Governo para aumentar todas as pensões em pelo menos 20 euros, para fazer face à inflação, considerando que as opções do PS estão a “hipotecar o direito a envelhecer com direitos”.

“É para o PCP da maior justiça que sejam adotadas medidas imediatas de valorização de todas as pensões, assegurando a reposição do poder de compra com um aumento mínimo de 20 euros em todas elas”, disse Jerónimo de Sousa, no encerramento de uma sessão promovida pelo partido, intitulada “Aumento extraordinário de todas as Pensões. Envelhecer com qualidade de vida”, em Lisboa.

O dirigente comunista alegou que o aumento de dez euros de todas as pensões “não responde à situação que se vive e que mudou substancialmente” nos últimos meses e que “não é o aumento das pensões que gerará inflação”.

“Não se pode aceitar, como defende António Costa, que sejam os salários e as reformas, e não os lucros especulativos, a servir injustamente de travão à inflação, acentuando as desigualdades e o empobrecimento das populações”, prosseguiu o membro do Comité Central do PCP.

Depois de ouvir intervenções de pensionistas, Jerónimo de Sousa advogou que “envelhecimento ativo não pode” ser sinónimo de “hipotecar o direito a envelhecer com direito”, culpabilizando os socialistas pelas opções feitas ao longo dos últimos anos.

“Quando uma pensão de 600 euros já perdeu até março 30 euros, com um corte que a reduz para 570 euros, o poder de compra terá que ser reposto”, elaborou.

No final da intervenção, o secretário-geral comunista fez um apelo à participação nas iniciativas que o partido vai dinamizar por ocasião do 48.º aniversário do 25 de Abril, que coincidem com “um momento particular da afirmação da luta”.

Sem comentários

deixar um comentário