16 Agosto 2022, 11:46

Pintura de Emília Nadal doada à Coleção de Arte Contemporânea do Estado

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 16 fev 2022 (Lusa) — Uma pintura de Emília Nadal foi doada pela artista à Coleção de Arte Contemporânea do Estado (CACE) para compensar a destruição de outra num incêndio nos anos 1980, anunciou hoje a Direção-geral do Património Cultural (DGPC).


A obra – pintura nº 2 da série “Decomposições” (1974-1976) – em óleo sobre tela foi incorporada na CACE por autoproposta de doação da artista, enquadrando-se no regime de exceções em que são consideradas as doações à coleção, explicou um comunicado divulgado pela DGPC.


Esta doação “pretende, de algum modo, compensar o desaparecimento, na consequência do incêndio que, em 1981, destruiu a antiga Galeria Nacional de Arte Moderna, em Belém, da pintura nº 9, da mesma série, que havia sido adquirida para a Coleção do Estado, então designada por Coleção SEC — Secretaria de Estado da Cultura”.


Neste contexto, a DGPC sublinha que, “pela importância lesiva do acontecimento e do seu prejuízo para a CACE, a integração de uma nova obra da mesma série pictórica da artista resulta essencial, contribuindo assim para o enriquecimento artístico, histórico e cultural da coleção”.


A artista, natural de Lisboa, onde nasceu em 1938, está representada na CACE com outras obras em gravura e escultura.


Emília Nadal iniciou-se na gravura com Maria Gabriel e Ilda Reis, e em 1959 foram-lhe atribuídos os Prémios Anunciação e Lupi de Pintura da Academia Nacional de Belas Artes.


Expõe desde 1957 e já participou em exposições coletivas e de grupo em Portugal e no estrangeiro, a título individual ou em representação da pintura e da gravura portuguesa contemporânea, nomeadamente em Espanha, França, Finlândia, Alemanha, Suécia, Grécia, Reino Unido, Itália, Brasil, Alemanha, Nova Zelândia, México, Bulgária, ex-Jugoslávia, Polónia, Macau e Japão.


A sua obra encontra-se representada em coleções privadas portuguesas, espanholas, brasileiras e suíças, e nas coleções do Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian, do Museu de Arte Moderna, e da Fundação de Serralves no Porto.


Iniciada pelo Estado em 1976, a CACE é uma coleção de arte contemporânea de natureza pública, e é composta por obras realizadas em diversos suportes – desde pintura, desenho, gravura, fotografia, escultura, vídeo, instalação -, na sua maioria, mas não exclusivamente, de artistas portugueses.


Tutelada pelo Ministério da Cultura, através da DGPC tem como missão garantir o acesso alargado ao património artístico contemporâneo nacional, privilegiando a fruição pública em todo o território.


Desde janeiro que a CACE está acessível ´online´, disponibilizando imagens de obras e informação histórica sobre o conteúdo da coleção em https://colecaodoestado.pt/.



AG // TDI


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário