22 Outubro 2021, 19:40

PM de Cabo Verde quer fazer valer a voz dos pequenos Estados insulares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Tomé, 23 set 2021 (Lusa) – O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva pediu hoje ao Governo são-tomense que se junte a Cabo Verde para “fazer valer as especificidades dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento” nos fóruns internacionais.


“É preciso ter em conta que Cabo Verde e São Tomé [e Príncipe] são dos poucos países insulares em África e essa insularidade tem especificidades”, disse o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, durante a declaração conjunta, após um encontro com o seu homólogo, Jorge Bom Jesus, em São Tomé.


O chefe do Governo de Cabo Verde defendeu que os Estados insulares em desenvolvimento devem ter “tratamento diferenciado no quadro da cooperação” que leve em conta o facto de terem pequena população e serem “países que têm ambição de desenvolvimento”.


“A nossa voz a nível de pequenos Estados insulares em desenvolvimento deverá ser ouvida cada vez mais, e queremos que São Tomé faça parte dessa voz [para] falarmos alto, se for necessário, para que possamos ter uma boa integração do nosso processo de desenvolvimento”, afirmou.


Ulisses Correia e Silva iniciou quarta-feira uma visita oficial de cinco dias a São Tomé e Príncipe para reforçar a cooperação político-diplomática com o arquipélago que considerou ser “muito especial para Cabo Verde”.


No final do encontro com o primeiro-ministro são-tomense, Correia e Silva afirmou que os dois países precisam “de mais ações de proximidade e concertação” bilateral, no quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento onde têm “vulnerabilidade e oportunidades”.


O primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus, também defende a necessidade de os dois países alinharem o discurso ao nível da CPLP e das instâncias internacionais “relativamente aos grandes temas” como as mudanças climáticas, proteção do ambiente, paz, segurança e ainda sobre “as reformas que são necessárias ao nível das Nações Unidas e da União Africana”.


Durante a declaração, o primeiro-ministro cabo-verdiano defendeu uma “nova era” de cooperação entre os dois países e o seu homólogo são-tomense, Jorge Bom Jesus, advogou “maior confiança e pragmatismo” na relação.


Correia e Silva convidou o seu homólogo Bom Jesus para uma visita oficial, ainda este ano, a Cabo Verde, onde espera realizar a comissão mista para avaliação dos programas em curso e “lançar novos programas de desenvolvimento e de cooperação, trabalhar diretamente com os parceiros a nível da cooperação tripartida” e com os investidores e as câmaras do comércio que podem “criar dinâmicas de investimentos também em São Tomé” e Príncipe.


Até domingo, Ulisses Correia e Silva vai encontrar-se também com o Presidente da República cessante, Evaristo Carvalho, com o Presidente eleito, Carlos Vila Nova, com o presidente do parlamento, Delfim Neves, e com as comunidades cabo-verdianas em São Tomé e na ilha do Príncipe.



JYAF // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário