14 Maio 2022, 01:56

PM ucraniano agradece ao homólogo português apoio a sanções e refugiados

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Kiev, 04 mai 2022 (Lusa) — O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmygal, sublinhou hoje a importância de reforçar as sanções à Rússia e agradeceu, numa conversa com o seu homologo português, António Costa, o apoio de Portugal à futura integração da Ucrânia na União Europeia (UE).


Numa mensagem no Twitter, Denys Shmygal, comunicou que teve “uma conversa telefónica com o primeiro-ministro português, em que discutiram a “assistência militar e financeira” à Ucrânia.


O primeiro-ministro ucraniano disse que sublinhou a importância de “reforçar as sanções para travar a Rússia” e “agradeceu o apoio à integração [da Ucrânia] na UE”.


“Agradeço a ajuda aos ucranianos afetados pela guerra”, escreveu ainda na mensagem no Twitter.


António Costa, em declarações aos jornalistas em São Bento, depois do encontro que teve com o homologo ucraniano, por videoconferência, revelou que foi acertada a data para a sua visita a Kiev e também que já há uma data para o regresso do embaixador de Portugal à capital ucraniana, que será “comunicada no momento próprio”.


“A data da minha visita a Kiev ficou acertada e será divulgada no momento que for considerado oportuno. Incluirá não só reuniões com o primeiro-ministro Denis Shmygal, como também com o Presidente Volodymyr Zelensky”, disse o primeiro-ministro português.


Durante a sua permanência em Kiev, destacou a importância da assinatura de um “acordo concreto para um apoio financeiro significativo no quadro das solicitações que o Governo ucraniano dirigiu para auxílio via Fundo Monetário Internacional (FMI)”.


“Tive a oportunidade de informar a resposta que Portugal dará já esta quinta-feira na conferência de doadores. Sinalizei aquela que será a nossa contribuição no âmbito do FMI para o apoio à Ucrânia”, acrescentou.


Em relação ao processo de adesão da Ucrânia à União Europeia, o primeiro-ministro reiterou que, independentemente desse processo, que é sempre longo, “a União Europeia não pode perder tempo relativamente àquilo que é urgente, ou seja, responder à situação de emergência que se está a viver”.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.


A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.



ANP (PMF) // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário