09 Setembro 2022, 04:36

Pólio detetado nos esgotos de Nova Iorque, sugerindo vírus em circulação

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, Estados Unidos da América, 12 ago 2022 (Lusa) – O vírus da poliomielite foi encontrado nas águas residuais de Nova Iorque, sinalizando que a doença, não registada nos Estados Unidos da América (EUA) há uma década, espalha-se silenciosamente entre não vacinados, disseram hoje autoridades sanitárias.


A presença do vírus do pólio nas águas residuais daquela cidade norte-americana sugere uma provável circulação local do vírus, disseram os departamentos de saúde da cidade e do estado de Nova Iorque.


A comissária estadual de saúde, Mary T. Bassett, disse que a deteção de vírus do pólio em amostras de águas residuais na cidade de Nova Iorque é alarmante, mas não surpreendente.


“O risco para os nova-iorquinos é real, mas a defesa é tão simples — vacine-se contra a poliomielite”, disse o comissário de saúde da cidade de Nova Iorque, Ashwin Vasan, em comunicado.


“Com o pólio a circular nas nossas comunidades, simplesmente não há nada mais essencial do que vacinar os nossos filhos para protegê-los desse vírus, e se você é um adulto não vacinado ou vacinado incompletamente, por favor, escolha agora tomar a vacina. O pólio é totalmente evitável e o seu reaparecimento deve ser uma chamada de ação para todos nós”, acrescentou.


A cidade de Nova Iorque está a ser forçada a enfrentar o pólio, no momento em que as autoridades de saúde da cidade estão a lutar para vacinar populações vulneráveis contra a varíola e ajustando-se às mudanças nas diretrizes da covid-19.


“Estamos a lidar com um trio”, disse hoje o autarca de Nova Iorque, Eric Adams, ao canal televisivo CNN.


“A covid-19 ainda está muito presente. Em relação ao pólio, identificamos pólio no nosso esgoto e ainda estamos a lidar com a crise da varíola. Mas a equipa está lá. E estamos a coordenar e abordar as ameaças à medida que surgem diante de nós. Estamos preparados para lidar com elas com a assistência de Washington”, afirmou o político.


O anúncio sobre a descoberta de pólio na cidade de Nova Iorque ocorre logo depois que as autoridades de saúde britânicas relataram encontrar evidências de que o vírus se espalhou em Londres, mas não encontraram casos em pessoas.


Crianças de 1 a 9 anos em Londres foram elegíveis para doses de reforço de uma vacina contra a poliomielite na quarta-feira.


Em Nova Iorque, uma pessoa sofreu paralisia há algumas semanas devido a uma infeção por pólio no condado de Rockland, ao norte da cidade. Amostras de águas residuais recolhidas em junho em Rockland e em Orange County continham o vírus.


A maioria das pessoas infetadas com pólio não apresenta sintomas, mas ainda pode transmitir o vírus a outras pessoas durante dias ou semanas.


A vacinação oferece forte proteção e as autoridades pediram às pessoas que não tomaram as vacinas que procurem fazê-lo imediatamente.


Com base em surtos anteriores, é possível que centenas de pessoas no estado tenham contraído pólio e não saibam, disseram autoridades.


A poliomielite já foi uma das doenças mais temidas do país, com surtos anuais causando milhares de casos de paralisia. A doença afeta principalmente crianças.


As vacinas ficaram disponíveis a partir de 1955, numa campanha nacional de vacinação que reduziu o número anual de casos nos EUA para menos de 100 na década de 1960 e menos de 10 na década de 1970, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.


Uma pequena percentagem de pessoas que contraem poliomielite sofre paralisia. A doença é fatal para 5%-10% dos paralíticos.


Todas as crianças em idade escolar em Nova Iorque são obrigadas a ter uma vacina contra a poliomielite, mas os condados de Rockland e Orange são conhecidos como centros de resistência à vacina.



MYMM // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário