18 Outubro 2021, 12:45

Porto aprova medidas de apoio a empresas e famílias no valor de 800 mil euros

©Mundo Atual
LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A Câmara do Porto aprovou um conjunto de medidas de apoio a empresas e famílias, no valor aproximado de 800 mil euros, para face à crise económica e social causada pela pandemia de Covid-19.

No conjunto, a maioria municipal apresentou quatro propostas concretas, entre as quais a criação de uma medida excecional de regularização de dívidas para os inquilinos municipais, cuja autoria é reclama pela CDU.



Na reunião do executivo de ontem, a vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, que tinha já anunciado o seu sentido de voto, na quarta-feira, lamentou que a maioria municipal não tenha votado favoravelmente a proposta da coligação apresentada no dia 8 de março e que já proponha esta medida e regularização de dívidas.

Apesar disso, Ilda Figueiredo referiu que, ao contrário da maioria municipal, que não tem qualquer problema em votar a favor de uma medida que considera “correta”.

Em resposta, o vereador da Habitação e Coesão Social, Fernando Paulo, indicou que pareceu adequado ao executivo avançar com esta medida excecional de regularização de dívidas face à situação atual e criticou a visão de que tudo o que de bom a Câmara do Porto faz é proposta da CDU.

Pelo PS, o vereador Manuel Pizarro mostrou surpreendido com o número de inquilinos municipais que se encontram nesta situação, revelando que serão um total de 1.826.

Fernando Paulo explicou que o aumento poderá estar relacionado com a crise pandémica.

O executivo aprovou ainda a criação do Programa de Incentivo à Atividade Comercial, no valor máximo de 500 mil euros, correspondente a 250 mil vales, para a apoiar a retoma do consumo no comércio de rua e tradicional, incluindo restauração e salões de cabeleireiros.

Em todas as compras de valor igual a 20 euros, o município assume o desconto imediato de dois euros e “assim sucessivamente”, nas compras efetuadas nos estabelecimentos aderentes até ao limite máximo de 100 euros por compra.

O programa de incentivo à atividade comercial, que numa primeira fase vigorou entre 14 de dezembro e 06 de janeiro de 2021, beneficiou 32 estabelecimentos comerciais da cidade.

Foi também aprovada a redução “em 100%” das rendas de titulares de contratos destinados a armazéns e em 50% de arrendatários não habitacionais cuja atividade esteja “direta ou indiretamente” relacionada com o turismo, no montante global de cerca de 280 mil euros.

Sem comentários

deixar um comentário