08 Setembro 2022, 20:35

Portugal contribui com 5,08 ME para melhorar acesso de são-tomenses à saúde

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Governo português vai contribuir com 5,08 milhões de euros para o acesso universal da população são-tomense a cuidados de saúde de qualidade, ao abrigo do programa “Saúde para Todos”, agora prolongado até 2025.

A despesa com a quinta fase do programa “Saúde para Todos — Consolidação do Sistema Nacional de Saúde de São Tomé e Príncipe 2022-2025” foi aprovada na semana passada pelo Conselho de Ministros e será realizada pelo Camões — Instituto da Cooperação e da Língua.

Em resposta escrita à Lusa, o Camões explica que a fase anterior do programa, que decorreu entre 2017 e 2021, “teve como objetivo contribuir para o reforço e melhoria da capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de São Tomé e Príncipe, promovendo a disponibilidade de cuidados de saúde especializados e de telemedicina sustentáveis e de qualidade”.

A ação assentou, por um lado, em cuidados especializados e manutenção do sistema de telemedicina no Hospital Ayres Menezes e nas formações de especialidades, e, por outro, em cuidados preventivos, primários e programas nacionais.

Tendo como parceiros o Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe, enquanto entidade beneficiária, e a Associação Marquês de Valle Flor, na qualidade de executor, o projeto teve um financiamento global de 4,85 milhões de euros, financiados pelo Camões e pela Direção Geral da Saúde (DGS).

Na nova fase agora aprovada, o Camões quer contribuir “para o acesso universal da população da República Democrática de São Tomé e Príncipe a cuidados de saúde de qualidade”.

Promover a “qualidade e crescente autonomia da prestação de cuidados de saúde preventivos, primários e especializados” e reforçar a capacidade de resposta do SNS são-tomense no combate a novos desafios epidemiológicos, com enfoque nas doenças não transmissíveis, são prioridades.

Esta quinta fase terá um reforço do financiamento, que será de 5,08 milhões de euros, também financiados pelo Camões e pela DGS, mantendo-se os mesmos parceiros.

Segundo o instituto, o programa visa promover a eficácia na gestão e a sustentabilidade financeira do setor da saúde, melhorar as condições técnicas e materiais da rede de cuidados preventivos e primários e aumentar o acesso da população são-tomense a cuidados de saúde especializados de qualidade ‘in loco’ e à distância através de telemedicina.

Visa também capacitar os profissionais de saúde de São Tomé e Príncipe para uma maior autonomia do SNS ao nível da prestação de cuidados especializados, bem como reforçar a sua capacidade de resposta para a prevenção, controlo, diagnóstico e tratamento de doenças não transmissíveis.

Sem comentários

deixar um comentário