27 Setembro 2021, 23:37

Portugal faz hoje leilões de Bilhetes do Tesouro para arrecadar até 1.250 ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 16 jun 2021 (Lusa) — Portugal regressa hoje aos mercados com dois leilões de linhas de Bilhetes do tesouro (BT), a três e a 11 meses, e um montante indicativo entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.


Segundo um comunicado da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), os leilões, que serão realizados pelas 10:30, são de linhas de BT com maturidades em 17 de setembro de 2021 e 20 de maio de 2022, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.


Em 21 de abril, Portugal colocou 1.250 milhões de euros, igual ao montante máximo anunciado, em BT a três e a 11 meses, com os juros a descerem face aos anteriores leilões comparáveis.


Segundo a página do IGCP na Bloomberg, na altura, a 11 meses foram colocados 800 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,558%, inferior à registada em 17 de fevereiro, quando foram colocados 625 milhões de euros à taxa de juro média de -0,524%.


A três meses foram colocados nessa altura 450 milhões de euros em BT à taxa média de -0,599%, também inferior à registada em 17 de fevereiro, quando foram colocados 625 milhões de euros a -0,543%.


A procura atingiu 2.431 milhões de euros para os BT a 11 meses, 3,04 vezes o montante colocado, e 1.641 milhões de euros para os BT a três meses, 3,65 vezes o montante colocado.


Depois disso, em 19 de maio, Portugal colocou 1.750 milhões de euros, igual ao montante global máximo indicativo, em BT a seis e a 12 meses, com os juros a caírem para mínimos de sempre nos dois prazos.


Segundo a página do IGCP na agência Bloomberg, a 12 meses foram colocados 1.000 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,536%, mínima de sempre e inferior à registada em 17 de março, quando foram colocados também 1.000 milhões de euros à taxa de juro média de -0,527%.


A seis meses foram colocados 750 milhões de euros em BT à taxa média de -0,571%, também inferior à verificada em 17 de março, quando foram colocados 500 milhões de euros a -0,554%.



ICO (ALYN/MC) // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário