06 Fevereiro 2023, 10:36

PR da Guiné-Bissau afirma que durante décadas faltou ao Estado “vontade política” para “gestão transparente”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bissau, 09 dez 2022 (Lusa) — O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje que “durante décadas” faltou ao Estado “vontade política” para uma gestão transparente e reafirmou o combate à corrupção como uma das prioridades do seu mandato.


“É um facto reconhecido que durante décadas faltou ao Estado guineense vontade política e faltaram instituições realmente empenhadas na gestão transparente da coisa pública”, disse o chefe de Estado, num discurso proferido numa cerimónia para assinalar o Dia Internacional Contra a Corrupção.


Segundo o Presidente guineense, a “corrupção está presente na atividade política, económica e financeira e em geral está muito presente na vida social” da Guiné-Bissau.


“A corrupção alargou-se, aprofundou-se e tornou-se uma ameaça à concretização das aspirações dos guineenses ao progresso social e a corrupção mina a autoridade de Estado, quebra a confiança dos cidadãos e das empresas e por isso mesmo é desastroso para o nosso projeto de desenvolvimento económico”, salientou o chefe de Estado guineense.


Considerando o fenómeno transversal, Umaro Sissoco Embaló defendeu que todas as instituições públicas devem ter uma coordenação permanente na sua prevenção e combate e que os cidadãos guineenses também a devem denunciar.


“Também os cidadãos são chamados a participar fazendo denúncias de indícios de corrupção, onde esses indícios se manifestarem”, afirmou, sublinhando a necessidade de “manter bem firme a vontade política” para implementar as medidas já identificadas para o seu combate.


“Registamos avanços, mas ainda temos um longo caminho a percorrer”, afirmou, salientando que o que importa no combate à corrupção não são “grandes discursos”, mas a identificação das causas e o julgamento e punição dos responsáveis pela prática de corrupção.


No seu discurso, o Presidente relembrou que declarou o combate à corrupção como uma das prioridades do seu mandato.


Na cerimónia participaram também representantes das Nações Unidas, a ministra da Justiça guineense, Teresa da Silva, e o novo procurador-geral da República, Edmundo Mendes.


A cerimónia foi seguida de duas comunicações sobre prestação de contas de financiamento dos partidos políticos e eleitoral, numa altura em que a Guiné-Bissau se prepara para realizar eleições legislativas antecipadas, depois o chefe de Estado ter dissolvido, em maio, o parlamento guineense.


MSE // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário