12 Agosto 2022, 21:54

PR de Cabo Verde quer “elevar” o debate político e mobilizar todas as competências

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Achada Igreja, Cabo Verde, 15 fev 2022 (Lusa) — O Presidente cabo-verdiano, José Maria Neves, traçou hoje, no âmbito dos 100 dias de mandato, como um dos objetivos “elevar” o debate político e “mobilizar” todas as competências sociais para o desenvolvimento do país.


“Tivemos uma ideia fundamental de descentralizar o ambiente político e elevar o debate em Cabo Verde”, disse o chefe de Estado, numa conversa no concelho de São Salvador do Mundo, ilha de Santiago, onde está há três dias em visita.


Antigo autarca e antigo primeiro-ministro cabo-verdiano (2001 — 2016), José Maria Neves foi eleito o quinto Presidente da República de Cabo Verde em 20 de outubro de 2021, à primeira volta, e tomou posse em 09 de novembro do mesmo ano para um mandato de cinco anos.


Foi eleito com o apoio político do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), de que foi presidente, tal como Pedro Pires.


Na semana em que completa 100 dias de mandato, o chefe de Estado convidou os jornalistas para falar desse período, mas também das perspetivas para o resto do mandato, tendo insistido na necessidade do aprofundamento do debate político no arquipélago.


“Precisamos aprender a desacordar, aprender a debater a partir de ideias divergentes, respeitando a posição de cada um e, procurando a convergência nacional a partir da pluralidade de opiniões na sociedade cabo-verdiana”, afirmou, considerando que o problema de Cabo Verde é a “excessiva” partidarização do espaço público.


“Isso leva à mediocridade, porque as pessoas são avaliadas em função da cor partidária, do seu nível de engajamento político. Para aproveitarmos todas as inteligências existentes na sociedade, temos necessariamente de despartidarizar o espaço público, promover o mérito, o bom desempenho, e aí teremos um nível muito elevado de debate”, indicou.


Na análise, o mais alto magistrado da Nação cabo-verdiana abordou ainda os 46 anos de Cabo Verde como país independente, sublinhando os ganhos conseguidos, entendendo ser necessário mobilizar toda a gente para mais desenvolvimento.


“Todos os partidos políticos são pessoas de bem, são importantes para o debate político e é fundamental mobilizarmos todas as competências e todas as capacidades que estão distribuídas na sociedade para que o país possa ganhar. Só mobilizando todas as energias e todas as capacidades existentes, Cabo Verde conseguirá ganhar os desafios que se lhe colocam”, entendeu.


Nestes enalteceu a importância de todos os partidos políticos, sindicatos, organizações não-governamentais, órgãos de comunicação social na sua pluralidade e exortou ao investimento no reforço do pluralismo, apontando como finalidade a construção dos consensos necessários.


“Estes dois pilares foram fundamentais e lançamos sementes nesta perspetiva”, frisou, traçando como grande ambição do seu mandato colocar o foco na sociedade, nos cidadãos e no empoderamento.


José Maria Neves nasceu em Santa Catarina, ilha de Santiago, em 28 de março de 1960, autarquia pela qual foi eleito presidente da câmara em março de 2000.


Antes foi deputado à Assembleia Nacional, de 1996 a 2000, pelo PAICV, que passou a liderar em 2000.


Venceu as eleições legislativas no ano seguinte, fazendo o PAICV regressar ao poder em Cabo Verde, uma década depois, assumindo o cargo de primeiro-ministro (2001 a 2016).


Antes da eleição de José Maria Neves, Cabo Verde já teve quatro Presidentes da República, desde a independência de Portugal em 1975, sendo o primeiro o já falecido Aristides Pereira (1975 – 1991) por eleição indireta, seguido do também já defunto António Mascarenhas Monteiro (1991 — 2001), o primeiro por eleição direta, em 2001 foi eleito Pedro Pires e 10 anos depois Jorge Carlos Fonseca.



RIPE // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário