06 Fevereiro 2023, 06:04

Presidenciais: Holanda deu sinal de que ser liberal é assumir responsabilidades — Mayan

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 15 jan 2021 (Lusa) — O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves reagiu hoje à demissão do Governo holandês referindo que “é mais um sinal de que ser liberal é assumir responsabilidades” e afirmou que em Portugal “não há estes exemplos”.


“É mais um sinal de que ser liberal é assumir as responsabilidades e aí, nesse cenário, o que estamos a ver é um Governo, em que não são os intervenientes diretos no escândalo que surge a assumir a responsabilidade política pelo sucedido. E assumir responsabilidade significa ser consequente e pedir a demissão”, afirmou o candidato liberal à Presidência da República, que tem destacado a Holanda como um bom exemplo, nomeadamente na questão da Saúde.


O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, confirmou hoje a sua demissão e a de todos os ministros do executivo, na sequência de um escândalo relacionado com abonos de família e a acusação indevida de milhares de pessoas de fraude.


Na opinião do candidato apoiado pela Iniciativa Liberal (IL), “manter a podridão de desconfiança e da falta de autoridade e da desresponsabilização isso seria uma via pior”.


“O que o Governo Holandês fez assumir a responsabilidade de um escândalo”, afirmou, defendendo que, “nestas circunstâncias deve ser devolvido ao cidadão a palavra porque há um problema de autoridade e há um de responsabilização que não pode morrer solteira”.


“Em Portugal não há esses exemplos e já vimos vastos casos em que tal poderia ter ocorrido, sendo que o último, como toda a gente já percebeu é o caso da Ministra da Justiça e da nomeação do procurador europeu”, afirmou.


Questionado se a ministra Francisca Van Dunem devia ser sido demitida, Mayan disse “não ter dúvidas nenhumas que sim”.


“E se isto se prolonga no tempo e se temos um primeiro-ministro que dá cobertura a uma situação destas então temos um problema de autoridade não só da ministra mas cada mais do próprio Governo”, sustentou.


Neste sexto dia de campanha e o primeiro do novo confinamento , Tiago Mayan participa apenas num programa de entretenimento numa estação de televisão e num encontro ‘online’ com estudantes.


Durante a manhã, numa publicação no Twitter, afirmou não se rever no “tom e estilo” de campanha de “baixo nível” a que tem assistido e que na sua opinião já tinha sido tentado em alguns debates entre candidatos.


“Tudo farei para que o populismo e o extremismo sucumbam à moderação e à boa educação e para que o ódio e o ressentimento sejam derrotados pela construção de soluções positivas para a vida dos portugueses”, acrescentou, sem fazer referência direta a André Ventura, que tem distribuído insultos por alguns adversários na corrida eleitoral do dia 24 de janeiro,.


Mais tarde, questionado pelos jornalistas sobre o assunto o candidato acrescentou que, nesta campanha, quer ser “combativo”, mas não quer “ser agressivo”.


“Quero ser uma lufada de ar fresco nesta campanha, não quero ser explosivo e eu quero trazer o calor da discussão, mas um calor solar que toque na face, não quero trazer o inverno da estagnação das últimas décadas e também não quero trazer o calor da terra queimada a esta campanha”, salientou.


E continuou: “Independentemente de me tremer a voz e de ter ou não batom, eu quero é poder expressar as minhas ideias e as minhas palavras e isso é que importa para mim”.


André Ventura atacou alguns dos seus adversários políticos num discurso no quarto dia de campanha eleitoral, referindo-se a Ana Gomes como “contrabandista”, a João Ferreira como tendo “ar de operário beto de Cascais”, a Jerónimo de Sousa como parecendo um “avô bêbedo” e comentando ainda o “batom vermelho” de Marisa Matias, “como se fosse uma coisa de brincar”.


Em consequência, um movimento de apoio à candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda está a surgir nas redes sociais e, no Twitter, são já muitos são os que aderiram ao movimento #VermelhoemBelem, publicando fotografias com os lábios pintados de vermelho.


“Hoje já não tive de por batom de cieiro, o dia já aqueceu um bocadinho”, brincou Tiago Mayan, quando questionado sobre o movimento.


As eleições presidenciais, que se realizam em plena pandemia de Covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.


Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).



PLI // JPS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário