18 Outubro 2021, 08:04

Presidenciais: Ventura e Le Pen contra imigração desregulada e islamismo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 08 jan 2021 (Lusa) — O candidato presidencial do Chega e a líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, concordaram hoje na condenação do islamismo, que consideraram “uma ideologia totalitária”, e na necessidade de maior controlo dos fluxos de imigrantes na Europa.


A eurodeputada e líder da União Nacional gaulesa está em Portugal para uma visita de dois dias, apoiando assim a candidatura do deputado único do partido da extrema-direita parlamentar portuguesa, e ambos deram uma conferência de imprensa num hotel lisboeta.


“É um dia muito feliz e importante, com a vinda de Marine Le Pen a Portugal quando estamos a dar o primeiro passo nas eleições presidenciais. É simbólica. O Chega, filiado na família europeia Identidade e Democracia, partilha o projeto e as ideias para a Europa com a União Nacional: uma Europa dos europeus, de quem trabalha, de quem se integra, de quem paga impostos e não a Europa daqueles que só vêm beneficiar do sistema económico e de segurança social sem aceitar a integração”, defendeu.


Segundo André Ventura, o Chega “tem um percurso muito mais recente” do que o seu congénere francês, mas já possui resultados nas sondagens muito animadores”.


“Este convite é um sinal. Le Pen tem sido em França e na Europa uma lutadora pela Europa que acreditamos que é possível, de matriz cultural e cristã e de identidade, contra a imigração descontrolada”, elogiou.


A política da extrema-direita francesa revelou-se “muito feliz” com a “primeira” visita a Portugal.


“É uma alegria apoiar o André Aventura nesta eleição presidencial. A União Nacional e o Chega são partidos parceiros. Partidos europeus com a mesma identidade, mas não somos clones. Somos aliados, parceiros. A filosofia é reconhecer e respeitar as respetivas especificidades nacionais”, afirmou.


Para a líder nacionalista, “França e Portugal, através da diáspora portuguesa, criaram relações de amizade, respeito e ligação profunda”.


“Parecia-nos uma incongruência que Portugal, tão legitimamente orgulhoso da sua historia, se tivesse mantido à margem deste grande movimento mundial, desta vaga histórica de reconquista nacional”, disse Le Pen, referindo-se à recente fundação do partido nacional-populista português.


A eurodeputada gaulesa elogiou “o chefe político talentoso (Ventura)”, que, “rapidamente vai ser a primeira força política do país e um grande dirigente e estadista europeu”.


“Agora que Portugal assumiu a presidência da União Europeia, os patriotas não podem ignorar que o seu voto tem significado”, defendeu.


Marine Le Pen criticou ainda o primeiro-ministro português, António Costa, por declarações anteriores do líder socialista a propósito do Pacto para a Imigração e da abertura para acolher imigrantes e assim solucionar o problema demográfico.


“Foram palavras preocupantes. Sei quanto os portugueses são orgulhosos do seu país, apreciam a tranquilidade e a cortesia. Não deixem que aconteça, defendam o vosso país, a História, as famílias, as crianças e também a Europa inteira. Viva o Chega, viva Ventura e a amizade franco-portuguesa!”, concluiu Marine Le Pen.



HPG // JPS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário