25 Setembro 2022, 05:06

Presidente da câmara diz que Gaia Museu-Ambiente terá espólio ligado à cerâmica

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Gaia Museu Ambiente, em Vila Nova de Gaia, terá espólio ligado à cerâmica, apesar de não ser um museu de cerâmica, garantiu o presidente da câmara, depois de preocupações levantadas pelo fundador da Cerâmica do Douro.

Este espaço museológico terá um espólio “significativo” ligado à cerâmica e a tudo que dela ramifica como pintura e escultura, disse Eduardo Vítor Rodrigues aos jornalistas, no final da reunião do executivo municipal.

O socialista referiu que o museu será um museu da cidade e não da cerâmica, mas terá cerâmica.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Na edição de domingo do JN, o fundador da Cerâmica do Douro, Manuel Almeida dos Santos, disse que o futuro Museu-Ambiente, a instalar nas Devesas, sem a componente da cerâmica equivale a estar a “perder parte das raízes e da cultura” do concelho.

Manuel Almeida dos Santos refere que criou a Cerâmica do Douro, em Arcozelo, com o compromisso dos presidentes do Município, Heitor Carvalheiras (1989-1997) e Luís Filipe Meneses (1997-2013), de que o acervo seria aproveitado pela autarquia e integrado no Centro Histórico. “Gostávamos que não ficasse esquecido, se não é património que vai para o lixo”, declarou ao diário.

Eduardo Vítor Rodrigues contou que a Cerâmica do Douro está a viver um período económico “difícil”, tendo estado em cima da mesa a compra da seu espólio e moldes.

“Não temos condições para socorrer empresas falidas e comprar património”, vincou o autarca.

O Gaia Museu-Ambiente, um espaço sobre alterações climáticas projetado para o complexo industrial da antiga Cerâmica das Devesas, em Vila Nova de Gaia, vai demorar cerca de dois anos a ser construído, avançou o presidente da Câmara.

Em causa está um projeto dedicado às questões ambientais que ficará situado na antiga Cerâmica das Devesas, cuja compra foi anunciada em fevereiro de 2018 pela câmara de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.

A área total do espaço é de 13.500 metros quadrados e, paralelamente à criação do museu, será criado o futuro parque urbano das Devesas.

Em declarações à agência Lusa, Eduardo Vítor Rodrigues apontou que a construção demorará cerca de dois anos e que a “estimativa preliminar” de investimento é “na ordem dos oito milhões [de euros] para o museu e área envolvente”.

Sem comentários

deixar um comentário