26 Setembro 2021, 14:38

Presidente da Rússia atribui Premio Ciência e Tecnologia a criadores da Sputnik V

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, 12 jun 2021 (Lusa) — O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, entregou hoje o Prémio Estatal de Ciência e Tecnologia 2020 aos criadores da vacina russa Sputnik V por ocasião do Dia da Rússia.


“O poder da ciência russa foi claramente revelado no ano passado, quando as pessoas em todo o mundo esperaram que os cientistas os salvassem da pandemia do coronavírus. E os nossos investigadores conseguiram criar uma vacina segura e eficaz, a Sputnik V, em tempo recorde”, disse o Presidente durante a cerimónia de entrega de prémios.


O Dia da Rússia, 12 de junho, comemora a declaração de independência da Federação Russa após a dissolução da União Soviética.


Putin premiou o diretor do Centro Gamaleya de Epidemiologia e Microbiologia, Alexandr Guintsburg, o vice-diretor científico do centro, Denís Logunóf, e o chefe do Centro de Pesquisa em Defesa Radioquímica das Forças Armadas Russas, Sergei Borisevich.


Esta conquista, qualificada pelo presidente como um “triunfo”, permitiu à Rússia não só garantir o acesso dos cidadãos russos às vacinas, mas também ajudar outros países.


“E esta é uma responsabilidade do nosso país perante o mundo inteiro como uma das principais potências científicas”, disse Putin, lembrando que isso foi possível graças “ao conhecimento único adquirido durante a criação de outras vacinas”, como a droga russa contra o ébola.


De acordo com o presidente russo, os avanços dos cientistas russos “abrem caminho para a criação de outras tão esperadas vacinas contra muitas doenças virais perigosas”.


A Rússia continua, contudo, a registar um crescimento estável de novas infeções por coronavírus devido em grande parte à renitência da população em ser vacinada contra a doença apesar dos insistentes apelos das autoridades para que as pessoas sejam vacinadas.


No último dia, o país registou 399 mortes e um aumento de 13.510 novos casos, o que constitui um retrocesso face aos níveis observados em fevereiro passado, segundo as autoridades sanitárias.


Do total de infetados, 2.170 (16,1%) são assintomáticos.


Em Moscovo, principal foco da covid-19 no país, foram detetados 6.701 casos nas últimas 24 horas, o que representa o maior número de infeções registadas até agora neste ano.


Embora as autoridades tenham descartado um regresso à quarentena, alertaram que medidas administrativas serão aplicadas aos infratores, principalmente o uso de máscaras ou distanciamento social, e propuseram incentivos para promover a campanha de vacinação.



CP // MSF


Lusa/fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário