06 Outubro 2022, 03:01

Presidente do Banco Mundial vê como provável recessão na Europa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O presidente do Banco Mundial (BM), David Malpass, disse ver como provável um cenário de recessão na Europa, considerando ser possível que demore anos ao mundo conseguir alternativas energéticas à Rússia.

Malpass definiu na quarta-feira a situação macroeconómica global como uma “tempestade perfeita”, capaz de levar a uma situação de ‘estagflação’, ou seja, alta inflação e baixo ou nenhum crescimento económico.

O presidente do BM fez essas previsões num discurso na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, intitulado “A crise enfrenta o desenvolvimento” e apresentado pela instituição financeira internacional como prelúdio da reunião de outono que começará em duas semanas.

A partir de 10 de outubro, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) vão realizar a tradicional reunião anual em Washington, na qual serão atualizadas as previsões de crescimento global e detalhadas por país.

De acordo com o modelo de nomeação predeterminado, os EUA escolhem o presidente do BM, enquanto a Europa decide quem lidera o FMI.

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás natural, poderá aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pontos percetuais e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pontos percentuais, levando a uma recessão, alertou na segunda-feira a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Sem comentários

deixar um comentário