07 Dezembro 2021, 16:14

Presidente do PE denuncia sanções russas e promete defender direitos humanos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 30 abr 2021 (Lusa) — O presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, denunciou hoje a decisão de Rússia de o punir, juntamente com outros sete responsáveis europeus, e prometeu continuar a defender os direitos humanos.


“Aparentemente, não sou bem-vindo no Kremlin? Suspeitei um pouco… Nenhuma sanção ou intimidação vai impedir o Parlamento Europeu ou a mim de defender os direitos humanos, a liberdade e a democracia. As ameaças não nos silenciarão”, escreveu numa mensagem no Twitter.


Citando o escritor russo Leon Tolstoi, Sassoli escreveu ainda: “Não existe grandeza onde não existe verdade”.


A Rússia anunciou hoje sanções contra oito responsáveis da União Europeia (UE), incluindo David Sassoli, em represália por medidas idênticas da UE em março e num aumento das tensões entre Moscovo e o ocidente.


“A União Europeia prossegue a sua política de medidas de restrição unilaterais ilegítimas dirigidas a cidadãos e organizações russas”, declarou em comunicado a diplomacia do Kremlin, ao precisar que vai proibir a entrada na Rússia de oito responsáveis europeus.


Entre os responsáveis abrangidos estão o presidente do Parlamento europeu, David Sassoli, a vice-presidente da Comissão Europeia (CE) para valores e transparência, a checa Vera Jourová e o procurador de Berlim, Jorg Raupach.


Segundo o comunicado, a Rússia riposta desta forma às sanções impostas pela UE em 02 e 22 de março a altos funcionários russos, decisões que, na perspetiva de Moscovo, se destinam a “lançar um desafio aberto à independência da política interna e externa russa”.


Em 02 de março, a UE anunciou a decisão de impor medidas restritivas dirigidas a quatro russos responsáveis, segundo Bruxelas, por graves violações dos direitos humanos, designadamente prisões e detenções arbitrárias, e ainda a repressão massiva e sistemática da liberdade de reunião na Rússia.


As medidas incluem designadamente a proibição de entrada em território da UE e o congelamento dos bens destes altos responsáveis, onde se incluem o chefe do Comité de investigação russo, Alexandre Bastrykine, e o procurador-geral, Igor Krasnov.


Em 22 de março, o Conselho da UE decidiu introduzir medidas restritivas contra os responsáveis de violações graves dos direitos humanos em diversos países do mundo, nomeadamente por tortura e repressão contra a comunidade LGBT e os opositores políticos na Chechénia, uma república russa do Cáucaso.



AXYG (PCR) // FPA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário