08 Outubro 2022, 18:21

Primeira-ministra britânica elege como prioridades economia, energia e saúde

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A recém-empossada primeira-ministra britânica, Liz Truss, assumiu hoje o crescimento económico, a segurança energética e a redução das listas de espera na saúde como as três prioridades para “transformar o Reino Unido”.

Na chegada a Londres, após ter estado na Escócia onde foi indigitada pela Rainha Isabel II, Truss referiu como primeira prioridade o “plano ousado para fazer crescer a economia através de cortes fiscais e reformas”.

“Vou reduzir os impostos para recompensar o trabalho árduo e impulsionar o crescimento e o investimento liderado pelas empresas”, vincou.

Em segundo lugar, acrescentou, disse querer resolver a “crise energética causada pela guerra de [Vladimir] Putin”, prometendo medidas ainda esta semana para reduzir as contas de energia e “assegurar o (nosso) futuro abastecimento energético”.

Em terceiro lugar, Liz Truss mostrou-se determinada em conseguir que “as pessoas possam obter consultas médicas e os serviços do NHS [serviço nacional de saúde] de que necessitam”, cujas lista de espera aumentaram na sequência da pandemia da doença covid-19.

Apesar da ameaça da chuva, o discurso foi feito no exterior do número 10.º de Downing Street, onde se situam a residência e escritório oficiais do chefe do Governo britânico, para assessores, deputados e jornalistas.

Espera-se que Truss nomeie ainda hoje os principais membros do seu Governo, a maioria apoiantes leais durante a campanha.

O ministro da Economia, Kwasi Kwarteng, 47 anos, é apontado pela imprensa como o próximo ministro das Finanças, a procuradora-geral, Suella Braverman, 42 anos, deverá assumir o Ministério do Interior, James Cleverly, de 53 anos, passará da pasta da Educação para os Negócios Estrangeiros, e a ministra do Trabalho, Theresa Coffey, é esperada no Ministério da Saúde.

O ministro da Defesa, Ben Wallace, deverá permanecer em funções, mas Nadine Dorries recusou continuar com a pasta da Cultura.

Pelo contrário, os ministros da Justiça, Dominic Raab, e dos Transportes, Grant Shapps, apoiantes declarados de Rishi Sunak (o outro candidato finalista nas eleições internas para a liderança conservadora), deverão ser preteridos.

Liz Truss foi indigitada primeira-ministra do Reino Unido pela Rainha Isabel II, que lhe pediu para formar um novo Governo após aceitar a demissão de Boris Johnson.

“A Rainha recebeu em audiência” Liz Truss “e pediu que formasse um novo Governo”, anunciou o Palácio de Buckingham através da rede social Twitter, momentos depois de publicar uma foto da monarca de 96 anos apoiada numa bengala, apertando a mão àquela que se torna a 15.ª primeira-ministra em 70 anos de reinado.

A audiência teve lugar no Castelo de Balmoral, na Escócia, e não no Palácio de Buckingham, em Londres, como é tradicional, devido aos problemas de mobilidade da monarca.

A transição resultou da eleição interna para a liderança do Partido Conservador iniciada em julho, da qual Truss foi declarada vencedora na segunda-feira com 57% dos votos.

Num breve discurso de despedida à porta de Downing Street pelas 7:30 desta manhã, Boris Johnson reivindicou uma série de medidas tomadas durante o tempo em funções perante uma multidão de apoiantes, assessores e jornalistas, e urgiu o partido a unir-se em torno da sucessora.

“O tempo para a política acabou e está na altura de apoiarmos todos a equipa e o programa de Liz Truss e servir os interesses dos cidadãos deste país, porque é isso que eles querem”, afirmou.

Depois da estreia de Truss no debate semanal com os deputados e frente ao líder da oposição, o trabalhista Keir Starmer, no parlamento, na quarta-feira, o novo Governo pretende anunciar já na quinta-feira um pacote para tentar travar a crise económica.

Segundo a imprensa britânica, este incluirá um congelamento dos preços da energia para famílias e empresas.

Dentro de duas semanas é esperado o anúncio de cortes fiscais para impulsionar a economia prometidos durante a campanha.

Sem comentários

deixar um comentário