08 Setembro 2022, 23:06

Primeiro navio da ONU com cereais para África parte de porto ucraniano

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O primeiro navio humanitário fretado pela ONU para transportar cereais ucranianos deixou hoje o porto de Pivdenny, para África, com cerca de 23.000 toneladas, anunciou o Ministério das Infraestruturas da Ucrânia.

“Esta manhã, o cargueiro partiu para o porto de Djibuti, onde a comida será entregue à chegada aos consumidores na Etiópia”, escreveu o ministério na plataforma de mensagens Telegram.

O navio foi fretado pelo Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

O ministro das Infraestruturas ucraniano, Oleksander Kubrakov, disse esperar que “mais dois ou três” navios fretados pela ONU partissem em breve.

Este é o primeiro carregamento de ajuda alimentar a deixar a Ucrânia desde que foi assinado em julho por Kiev e Moscovo um acordo de exportação de cereais ucranianos, bloqueado devido à guerra entre os dois países.

O primeiro navio comercial partiu no dia 01 e mais de 15 navios no total deixaram a Ucrânia desde a entrada em vigor do acordo, segundo as autoridades ucranianas, mas nenhuma carga humanitária da ONU tinha ainda zarpado.

A Ucrânia e a Rússia estão entre os maiores exportadores mundiais de cereais, cujos preços dispararam desde o início da guerra.

De acordo com o Programa Alimentar Mundial, um número recorde de 345 milhões de pessoas em 82 países estão agora em grave insegurança alimentar, enquanto até 50 milhões de pessoas em 45 países estão em risco de morrer à fome sem assistência humanitária.

Sem comentários

deixar um comentário