11 Setembro 2022, 05:11

Programa com criadores de gado tenta travar ‘bird strikes’ no aeroporto da Praia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 26 jul 2022 (Lusa) – As autoridades cabo-verdianas realizam hoje inquéritos a criadores de animais na envolvente do aeroporto da Praia, ao abrigo do programa para travar incidentes entre aves e aeronaves (‘bird strikes’), cinco dos quais afetaram a portuguesa TAP em 2021.


De acordo com fonte do Instituto de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos e Marítimos (IPIAAM) de Cabo Verde, as ações decorrem ao abrigo do programa “Bird Safe”, de segurança de voos e proteção da vida e os inquéritos aos criadores de aves e gado visam “melhor resolver o problema da presença da vida animal junto dos aeroportos, pelo perigo que representa para as operações aéreas (‘bird strikes’) e que põe em risco a vida humana”.


Os trabalhos no terreno vão abranger diversas zonas circundantes ao Aeroporto Internacional da Praia – Nelson Mandela, com o objetivo de “fazer o levantamento dos criadores de gado e aves e a identificação das espécies existentes e predominantes”, bem como “conhecer as condições em que estas atividades são praticadas”.


“Para em conjunto, perceber as possíveis soluções a adotar e a sua disponibilidade em colaborar com as instituições”, explica o IPIAAM, que coordena o plano de ação “Bird Safe”, em conjunto com outras entidades cabo-verdianas e que prevê um ano para desenvolver e implementar atividades para a consciencialização da população e das instituições sobre o “respeito da prevenção de incidentes, promover a mudança de comportamentos”.


Desde pelo menos meados de 2021 que são vistas nas imediações da pista do aeroporto da Praia equipas de trabalhadores aeroportuários a afastarem bandos de aves, enquanto no perímetro exterior é habitual a presença de dezenas de cabeças de gado a pastar, que por sua vez atraem esses bandos de aves.


“O IPIAAM, através desta iniciativa conjunta, almeja alcançar resultados mais eficazes e de maior alcance, na mitigação do risco que a presença frequente de vida animal no entorno aeroportuário representa para a segurança operacional e em prol de uma cultura de segurança no setor da aviação civil”, destaca a fonte.


Aviões da companhia aérea portuguesa TAP sofreram cinco incidentes com aves no aeroporto da Praia em 2021, mas a presidente da companhia admitiu em março último que as medidas adotadas pelas autoridades cabo-verdianas melhoraram a situação.


“Este ano, até agora [2022], a situação está a ser completamente diferente relativamente a incidentes”, afirmou a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, questionada pela Lusa à margem de uma visita que realizou em março à capital cabo-verdiana.


“Tivemos cinco incidentes de ‘bird strikes’ no ano passado, por isso estamos preocupados. Como sabem, segurança é sempre uma prioridade e tem que ser analisada em detalhe”, disse.


Embora sem detalhar, Christine Ourmières-Widener reconheceu que após um “diálogo construtivo” entre o regulador do setor aeronáutico e a administração do aeroporto da Praia foi possível constituir uma “ligação direta” e aplicar medidas de mitigação desta situação.


A Lusa noticiou anteriormente que as companhias aéreas registaram 34 incidentes envolvendo pássaros e aeronaves em dois anos em Cabo Verde, tendo o regulador reconhecido que a situação afeta “com particular incidência” o aeroporto da capital.


Segundo dados da Agência de Aviação Civil (AAC) cabo-verdiana consultados em fevereiro pela Lusa, a maior parte dos 34 eventos, notificados pelas operadoras de transporte aéreo entre 2019 e o primeiro semestre de 2021, ocorreram no Aeroporto Internacional Nelson Mandela, na Praia, e desses casos, um total de 11 “foram efetivamente de ‘bird strike'”.


“A diminuição do impacto de pássaros com as aeronaves, envolve uma participação alargada de atores, desde os habitantes da vizinhança dos aeroportos, passando pela comunidade aeronáutica, e pelos decisores públicos. Aqui, o papel do Ministério do Ambiente, das autarquias locais, das universidades e centros de pesquisa é igualmente determinante. O fim último é impedir acidentes que possam fazer vítimas, inclusive ceifar vidas humanas”, alertou a AAC.


Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais, nas ilhas de Santiago, do Sal, da Boa Vista e de São Vicente, e três aeródromos, nas ilhas de São Nicolau, Maio e Fogo, todos operados pela empresa pública ASA.



PVJ // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário