03 Fevereiro 2023, 16:33

“Quando se passa os oitavos fica-se mais perto de ser favorito” — Fernando Santos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Doha, 05 dez 2022 (Lusa) — O selecionador Fernando Santos relativizou hoje a questão de Portugal ser ou não candidato à conquista do Mundial2022 de futebol, preferindo realçar que um triunfo sobre a Suíça deixará a equipa mais perto de um eventual sucesso.


“Vai ser um jogo tremendamente difícil, entre duas equipas muito fortes. Um jogo de oitavos de final, um jogo duro, mas Portugal acredita que vai ganhar”, afirmou, em conferência de imprensa de antevisão ao encontro de terça-feira, com os suíços.


Depois de o treinador-adjunto da Suíça Vincent Cavin ter assumido o favoritismo dos helvéticos, também Fernando Santos disse que Portugal “tem capacidade para vencer o jogo” e acredita que “é possível” apurar-se para os ‘quartos’: “São 11 contra 11, acreditamos que é possível. Queremos continuar aqui”.


Santos relativizou ainda questões relacionadas com candidaturas ou favoritismos da equipa das ‘quinas’, ainda que lembrando que cada eliminatória ultrapassada é mais um passo rumo à conquista de um troféu.


“Não interessa ser candidato ou favorito, se tem obrigação ou não. Quem joga por Portugal tem sempre a obrigação de ganhar. Para nós, é bom sentir essa adrenalina. Queremos muito ganhar e vamos fazer por isso. Quando se passa os oitavos de final, depois os quartos e as meias, fica-se mais perto de ser favorito”, salientou.


Contudo, quando questionado por um jornalista sobre qual a outra equipa que considera favorita a vencer o Mundial2022, além de Portugal, foi direto e perentório: “Portugal”.


O selecionador nacional elogiou a capacidade da Suíça, recordando os recentes duelos entre as duas equipas, dois dos quais em junho, ambos para a Liga das Nações, com vitória lusa no primeiro (4-0) e triunfo helvético no segundo (1-0).


“A Suíça joga junta há muito tempo. São sempre confrontos duros, de grande competitividade. É uma equipa muito organizada em campo, com jogadores de muita qualidade, que sabe o que quer. Contra a Sérvia, estiveram a perder 2-1 e nunca perderam o norte. Encararam o jogo com a mesma serenidade e foco. Não é uma equipa defensiva em nada”, analisou.


Por outro lado, o técnico, de 68 anos, assumiu que “os detalhes marcam a diferença” em jogos a eliminar: “Nestes três jogos que disputámos, os detalhes marcaram a grande diferença. É preciso concentração total. Muito mais agora, sendo um jogo a eliminar, em que temos de ganhar para estar cá daqui a quatro dias [nos quartos de final]”.


Fernando Santos foi ainda questionado sobre o papel de Rafael Leão na seleção, uma vez que o jogador do AC Milan, eleito o melhor da última edição da Serie A, ainda não foi titular num jogo do Mundial.


“O Leão é um jogador de eleição, acho que vai ter uma carreira fortíssima. Sente algumas dificuldades porque, no clube em que joga, tem determinadas liberdades em campo e, na minha equipa, jogamos mais de pé para pé, com toda a gente a participar. Está a sentir mais dificuldades por isso. No entanto, isso não lhe retira o enorme talento que tem, nem a confiança que eu tenho nele”, concluiu.


Portugal e Suíça defrontam-se nos oitavos de final do Mundial2022, na terça-feira, a partir das 22:00 locais (19:00 em Lisboa), no Estádio de Lusail, num encontro que será dirigido pelo árbitro mexicano César Ramos.



MO/AJC // JP


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário