16 Agosto 2022, 17:29

Quatro feridos em incêndio de prédio em Lisboa tiveram alta e quinto em estado grave

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Quatro das cinco pessoas que ficaram feridas durante uma explosão seguida de incêndio num prédio na rua de Santa Marta, em Lisboa, tiveram alta hospitalar e apenas uma permanece internada, segundo o vereador da Proteção Civil.

Em declarações aos jornalistas, o vereador da Proteção Civil da Câmara de Lisboa, Carlos Castro, adiantou que quatro pessoas que ficaram feridas já tiveram alta hospitalar e que apenas permanece internado o ferido em estado grave.

No edifício no qual decorreu a explosão seguida de incêndio viviam nove pessoas, adiantou, sendo que duas estão desaparecidas e outras duas não se encontravam no edifício na hora da explosão.

Segundo Carlos Castro, ainda não foi possível apurar se os dois moradores por localizar se encontravam no interior do edifício, isto porque dois fatores “prejudiciais” estão a dificultar as buscas nos escombros.

“O facto de haver ainda muito fumo e haver também a humidade decorrente da intervenção do apagar das chamas”, disse, acrescentando ainda existir material em combustão no interior do edifício, localizados nos números 41 e 42 da Rua de Santa Marta.

Questionado pelos jornalistas, o vereador da Proteção Civil da Câmara de Lisboa adiantou que, apesar de ainda não estar confirmado, “tudo indica que foi uma explosão derivada de gás”.

Carlos Castro avançou também que os moradores dos prédios contíguos já foram retiradas e identificadas pelos serviços municipais.

No local encontram-se mais de 80 operacionais, desde membros de forças de segurança, bombeiros e técnicos municipais de engenharia civil.

O alerta para a explosão, seguida de incêndio, de um prédio de habitação na rua de Santa Marta, foi dado às 07:48, segundo os bombeiros.

A parte da frente do edifício ruiu e várias projeções atingiram o Hospital de Santa Marta, disse o vereador.

A explosão atingiu também viaturas estacionadas naquela rua, que se encontra cortada ao trânsito.

SPYC (RCS) // JNM

Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário