24 Maio 2022, 03:20

“Quero contribuir para a felicidade dos oliveirenses” – Entrevista a Filinto Lima

Susana Faria AdministratorKeymaster

Entrevista a:

Filinto Lima
Presidente da Junta de Freguesia de Oliveira do Douro

No primeiro mandato à frente da Junta de Freguesia de Oliveira do Douro, Filinto Lima assume-se como o presidente das pessoas que quer contribuir “para a qualidade de vida” e “felicidade” dos oliveirenses, cumprindo ainda a promessa eleitoral dando “continuidade ao trabalho desenvolvido pelo anterior presidente”. Entre projetos novos e antigos, destaca-se a construção do Centro Cívico José da Silva Candoso, “que vai perpetuar um nome de um homem que fez muito pela freguesia”. No meio de cumprimentos, acenos e pedidos, nas ruas da freguesia, Filinto Lima, que acumula três cargos que o apaixonam, revelou ao Mundo Atual, que uma das suas grandes preocupações “é escolarizar os oliveirenses”.

No primeiro mandato à frente da Junta de Oliveira do Douro, o que é que os oliveirenses podem esperar de si?
Podem esperar de mim uma pessoa presente que quer contribuir para a qualidade de vida dos oliveirenses e diminuir os constrangimentos existentes a nível de transportes públicos e habitação, que são os problemas mais mencionados e discutidos. Quero contribuir para a felicidade dos oliveirenses e da freguesia de onde sou natural. Herdei um trabalho de excelência e isso traz-me uma responsabilidade acrescida.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Na apresentação da sua candidatura reforçou a vontade de dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelo anterior presidente…
A minha candidatura não foi de rotura, mas sim de continuidade. Foi um convite que recebi do atual presidente da Câmara de Gaia ao qual não pude dizer que não. Fiquei muito satisfeito por vê-lo acreditar nas minhas capacidades em liderar esta freguesia. É uma grande responsabilidade para mim e para a minha equipa.

Quais os principais projetos que a autarquia tem em preparação e em execução?
Temos alguns projetos execução como o Centro Cívico José da Silva Candoso e muitas ruas que são a ser reabilitadas. Temos agora um projeto para requalificar duas importantes vias, a Rua do Anel e a Rua de Santa Eulália. A Rua de Santa Eulália vai passar a ser apenas pedonal, de forma dar prioridade às pessoas. A Rua do Anel está em muito mau estado e vamos requalificá-la, colocando também passeios.

© Amândia Queirós | Mundo Atual

A construção do Centro Cívico de Oliveira do Douro era uma obra muito esperada…
Era uma obra muito pedida que vai perpetuar um nome de um homem que fez muito pela freguesia, José da Silva Candoso, e vai criar uma nova centralidade. Encontrámos o terreno ideal e a Câmara de Gaia, a pedido do anterior presidente de Junta, avançou com este projeto que espero que seja inaugurado nos próximos meses. As pessoas são muito importantes para mim e este Centro Cívico terá diferentes espaços para todas as idades.

Em que fase estão as obras no edifício da Junta?
As obras começaram no ano passado e estão agora na segunda fase que visa a requalificação de toda a parte exterior. A primeira fase foi uma pouco mais demorada, uma vez que todo o interior do edifício foi reabilitado. Temos agora uma Junta com as devidas condições para receber os oliveirenses. A ideia é sempre criar mais condições para que as pessoas possam ser mais felizes.

Falou há pouco em problemas com os transportes públicos…
Recebo todas as semanas no meu gabinete pessoas que abordam problemas relacionados com os transportes públicos. Os principais problemas estão relacionados com o não cumprimento de horários por parte das transportadoras. Tem havido melhorias e temos também o projeto do MOB+ que colmata a carência de transportes. Tem sido muito utilizado, mas queremos aumentar o número de utilizadores e estamos a apostar na divulgação.

Assumiu a presidência a meio da pandemia, depois de vários projetos, possivelmente, terem sido cancelados. Como é que têm sido estes últimos tempos?
No mandato anterior não estava cá e foi muito duro. Falei com o anterior autarca e com o presidente Eduardo Vítor Rodrigues. A Junta encarregou-se de levar alimentação a casa das pessoas, um serviço de retaguarda que foi muito importante. Entrei já numa fase posterior, com a pandemia mais controlada. Neste momento, prestamos apoio às pessoas que têm dificuldade em pagar rendas. Pagamos rendas, contas de eletricidade e água. São cada vez mais os pedidos que recebemos.

“Faço tudo com muita dedicação, paixão e entrega”

Para além da política, que outras atividades o preenchem?
Sou professor e Diretor do Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos e, durante quatro anos, tenciono ser presidente da Junta de Freguesia. Ser também presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas ocupa muito do meu tempo. Faço tudo com muita dedicação, paixão e entrega, mas sempre apoiado por três excelentes equipas.

Acumular os três cargos é uma tarefa complicada?
Quando fui convidado para o cargo de presidente de Junta de Freguesia tive de avaliar muitas questões como a legalidade de acumular estas ocupações. Na Junta, estou como presidente a regime de não permanência, de forma a conseguir manter o cargo de Diretor do Agrupamento de Escolas, mas as minhas tarefas mantêm-se as mesmas comparativamente a outros autarcas. Dá muito trabalho, mas gosto do que faço.

Tenta também aliar a vertente educativa ao seu trabalho na Junta…
Sim. Uma das minhas grandes preocupações é escolarizar os oliveirenses. No âmbito da ação social e emprego, em parceria com o IEFP, temos ajudado pessoas em situação de desemprego a mudarem o rumo da sua vida.

Como define Oliveira do Douro?
Terra de gente digna. É uma freguesia onde as pessoas podem encontrar a felicidade.

Arrepende-se de alguma escolha durante estes primeiros meses de liderança?
Acho que ainda é cedo para fazer algum balanço. Sou muito atento ao que as pessoas dizem. Preciso de receber os pedidos ou críticas das pessoas sempre de forma presencial. Tento sempre resolver, sem mentiras e falsas promessas. Interesso-me pelas situações e gosto de ver os problemas solucionados.

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Sem comentários

deixar um comentário