03 Dezembro 2021, 13:55

Rali de Portugal: Despedida de uma era com regresso ao passado e à espera de um recorde

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A 54.ª edição do Rali de Portugal, que começa sexta-feira, marca a despedida de uma era do Mundial de ralis, num ano em que regressa uma especial histórica e em que pode ser batido o recorde de vitórias.

A partir de sexta-feira, os motores exclusivamente de combustão interna vão ouvir-se pela última vez nos troços portugueses pois, a partir de 2022, as novas regras ditam a entrada do campeonato do mundo na era híbrida, com carros movidos a combustão interna e energia elétrica em simultâneo.

Até lá, os 80 pilotos (eram 81 mas o norueguês Andreas Mikkelsen não viajou para Portugal por ter contraído covid-19) enfrentam 21 especiais cronometradas, incluindo uma superespecial na zona da Foz do Douro, no Porto, a disputar ao final da tarde de sábado, e o regresso do troço de Mortágua, ausente da prova há duas décadas, num ano em que o francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris) pode bater o recorde de vitórias, que detém em igualdade com o finlandês Markku Alen (cinco cada um).

A prova do Automóvel Club de Portugal (ACP) é a quarta de 12 rondas do campeonato do mundo, com um total de 346,26 quilómetros cronometrados divididos por 21 especiais a percorrer ao longo de três dias de prova, de sexta-feira a domingo, no centro e norte do país.

Depois do cancelamento da edição de 2020 devido à pandemia de covid-19, o Rali de Portugal regressa ao centro do país, com sete troços naquela região. Lousã, Góis e Arganil recebem duas passagens de cada concorrente, ficando Mortágua com uma passagem antes da superespecial em Lousada encerrar o dia, com um total de 122,88 quilómetros.

No sábado, os concorrentes enfrentam o dia mais longo, com 165,16 quilómetros divididos por sete especiais, incluindo uma superespecial de 3,30 quilómetros traçada na Foz do Douro, com os participantes a partirem aos pares.

As restantes são desenhadas entre Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante, o troço mais longo do rali, com 37,92 quilómetros de extensão.

Para domingo, estão reservados mais seis troços, terminando com a ‘Power Stage’ de Fafe. Pelo meio, os pilotos têm de percorrer ainda os troços de Felgueiras e Montim.

Este ano, as autoridades de saúde permitiram a presença de público nos troços, mas nos locais devidamente assinalados e em respeito pelas regras de segurança sanitária, como o distanciamento entre grupos, o uso de máscara e a lavagem frequente das mãos.

Ogier chega a esta ronda com a liderança do campeonato, com 61 pontos, após dois triunfos nas três rondas já disputadas (Monte Carlo e Croácia) e um ponto somado na Finlândia depois de um despiste comprometer as aspirações a lutar pelos primeiros lugares.

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20) é o segundo, com 53 pontos, mais dois do que o britânico Elfyn Evans (Toyota Yaris), enquanto o estónio Ott Tanäk (Hyundai i20), último vencedor da prova portuguesa, é quarto, com 40 pontos.

Ao todo, haverá 10 carros da categoria principal, os WRC (World Rally Cars), numa prova que pontua ainda para os campeonatos de WRC2, WRC3, JWRC, Campeonato de Portugal de Ralis (CPR) e Peugeot Rally Cup Ibérica.

Em 2019, o estónio Ott Tanak, em Toyota Yaris, venceu a 53.ª edição do Rali de Portugal, acabando por conquistar o primeiro e único campeonato do mundo da sua carreira no final do ano.

 

Tags

Sem comentários

deixar um comentário