22 Outubro 2021, 10:43

RDCongo regista 269 sismos em três dias em cidade afetada por erupção vulcânica

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Goma, República Democrática do Congo, 26 mai 2021 (Lusa) — Quase 270 sismos foram registados em três dias em Goma, cidade afetada pela erupção do vulcão Nyiragongo, no leste da República Democrática do Congo (RDCongo), disse o observatório vulcanológico local.


“De sábado até terça-feira de manhã, foram registados 269 sismos” pelo Observatório Vulcanológico de Goma (OVG), segundo uma nota técnica datada de terça-feira e citada pela agência de notícias France-Presse.


O maior sismo registado foi sentido na terça-feira com uma “magnitude de 5,2 na escala de Richter”, refere o documento.


Os abalos continuaram com a mesma intensidade hoje na cidade, onde eram visíveis grandes fissuras no chão.


Segundo as autoridades, os sismos “não são magmáticos” e deverão diminuir de intensidade, limitando a hipótese de nova erupção do Nyiragongo.


“O perigo tende a diminuir”, disse uma delegação ministerial que chegou segunda-feira de Kinshasa.


Ainda assim, a nota assinala que os registos obtidos em 25 de maio indicam “atividade (sísmica, produtos vulcânicos projetados e fissuras) no campo do vulcão”.


A observação sugere que a atividade vulcânica continua apesar do aparente fim da erupção de domingo com a imobilização dos fluxos de lava.


Na nota não é feita, contudo, qualquer avaliação ou recomendação quanto ao risco de nova erupção, sendo indicados, sem quaisquer comentários, três cenários de erupção, classicamente evocados em relação ao Nyiragongo, incluindo o mais grave: a hipótese de um fluxo de lava atingir as profundezas do Lago Kivu, libertando gases dissolvidos, incluindo CO2, o que causaria “milhares de mortes”.


A lava fluiu, na noite de sábado, em duas direções a partir dos flancos do vulcão, com um fluxo a parar na periferia nordeste de Goma, e o outro a cortar um quilómetro da Estrada Nacional 4 que liga Goma a Butembo, um grande eixo regional vital para o abastecimento da cidade.


Pelo menos 32 pessoas morreram desde sábado, incluindo duas dezenas em consequência de gases libertados após a erupção do vulcão Nyiragongo, e entre 900 e 2.500 casas foram destruídas pelos fluxos de lava.



CFF // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário