24 Dezembro 2022, 06:56

Rebeldes do Tigray “retiram” 65% dos seus combatentes das linhas da frente na Etiópia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nairobi, 04 dez 2022 (Lusa) – Os rebeldes da região etíope do Tigray declararam que estão a “retirar” os seus combatentes da linha da frente, até ao momento 65% das tropas, segundo o acordo de paz assinado no início de novembro com o Governo federal etíope.


A “retirada” e o desarmamento das forças de Tigray são disposições chaves do acordo assinado em 02 de novembro, em Pretória (África do Sul), para pôr um fim a dois anos de um conflito que devastou o norte da Etiópia. O texto também prevê o restabelecimento da autoridade federal na região do Tigray e a reabertura do acesso a essa região mergulhou numa situação humanitária catastrófica.


“Começamos a retirada e a reajuste das nossas forças de linha de frente”, declarou no sábado o chefe do Estado Maior das Forças do Tigray, Tadesse Worede.


Do total “das nossas forças, 65% destas estão a passar por este processo, retiradas das linhas da frente e deslocadas para lugares designados”, acrescentou.


Worede não especificou quais são as linhas da frente em questão ou até que ponto os combatentes foram retirados.


Mas denunciou a presença de “forças na região que (…) são obstáculos à paz”, em referência ao Exército da Eritreia e às forças regionais e milícias da região etíope do Amhara, que apoiou o Exército da Etiópia no conflito que começou em novembro de 2020.


“Os problemas que criam e os abusos que cometem contra a população não são secretos, por isso fizemos uma pausa em certos lugares” nas operações de retirada para impedir que “continuem as suas atrocidades contra a população, referiu Worede.


Segundo o responsável do Tigray, depois que estas ameaças forem sanadas, irão se retirar “100%”.


As autoridades rebeldes denunciaram regularmente nas últimas semanas de abusos sobre civis cometidos na região do Tigray pelo Exército da Eritreia, que não participaram nas negociações de Pretória.


O acesso a certas áreas do leste e o centro do Tigray permanece limitado, sublinhou o Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU, em 25 de novembro.


O Tigray foi praticamente isolado do mundo há mais de um ano e é privado de serviços de eletricidade, telecomunicações, bancos e combustíveis.


De acordo com o PAM, os dois anos de conflito fizeram mais de 13,6 milhões de pessoas dependentes da ajuda humanitária no norte da Etiópia (5,4 milhões no Tigray, 7 milhões em Amhara e 1,2 milhão em Afar).



CSR // PJA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário