06 Outubro 2022, 03:51

Reino Unido e Canadá dizem que “nunca” reconhecerão referendos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 28 set 2022 (Lusa) – A primeira-ministra britânica, Liz Truss, e o homólogo canadiano, Justin Trudeau, afirmaram hoje ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que o Reino Unido e o Canadá “nunca” reconhecerão as tentativas da Rússia de anexar territórios ucranianos.


Numa conversa telefónica, Truss manifestou ao líder ucraniano o “apoio firme” de Londres a Kiev face aos recentes referendos promovidos pela Rússia nos territórios que esta controla militarmente na Ucrânia.


As autoridades pró-russas das regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson, Lugansk e Donetsk anunciaram na terça-feira a vitória do “sim” à incorporação na Rússia em referendos organizados por Moscovo e considerados inválidos por Kiev e pelos aliados ocidentais.


O Ministério da Defesa britânico acredita que a intenção do Presidente russo, Vladimir Putin, é anunciar a anexação destes territórios num futuro próximo.


Segundo um porta-voz da primeira-ministra britânica, os dois líderes discutiram ainda “como o Reino Unido e a Ucrânia podem cooperar para assegurar o abastecimento de gás à Ucrânia a longo prazo”.


Truss agradeceu igualmente a Zelensky pelo trabalho que levou à libertação de cinco cidadãos britânicos detidos por milícias pró-russas na Ucrânia oriental, libertados na semana passada graças à mediação da Arábia Saudita.


O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, também falou hoje com Zelensky e transmitiu que “o Canadá nunca reconhecerá os ‘referendos’ russos” e que o país continuará a “prestar assistência militar, humanitária e financeira ao povo da Ucrânia”, comunicou na rede social Twitter.


Trudeau acrescentou mais tarde numa declaração que os referendos nas regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia na Ucrânia “não têm legitimidade” e são uma “flagrante violação do direito internacional”.


“O Canadá não reconhece e nunca reconhecerá os resultados destes referendos falsos ou da tentativa da Rússia de anexar ilegalmente territórios ucranianos”, disse.


 


BM (APN) // SCA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário